TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

terça-feira, 7 de julho de 2020

"Merkel defende obrigatoriedade do uso de máscara contra a covid-19"

Angela Merkel, chanceler federal da Alemanha, de máscara"Máscaras são essenciais para manter baixo o número de infecções", diz líder alemã, em reação a político que sugeriu suspender a medida. Ministro da Saúde e secretários estaduais decidem que proteção segue obrigatória.Na luta contra o coronavírus, o uso da máscara continua obrigatório na Alemanha. A decisão foi tomada pelos 16 secretários estaduais de Saúde e o ministro da Saúde do país, Jens Spahn, nesta segunda-feira (06/07), após a chanceler federal Angela Merkel defender a medida.
Mais cedo nesta segunda, Merkel reafirmou a importância do uso de máscara em espaços públicos onde a distância mínima não pode ser mantida, respondendo a um debate surgido no último final de semana sobre a suspensão antecipada da norma, pelo menos em estabelecimentos comerciais.
No domingo, o secretário estadual da Economia do estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, Harry Glawe, afirmou que não via necessidade de manter a obrigatoriedade da máscara em lojas já que a taxa de infecções permanece baixa. O estado é o menos afetado pela epidemia de covid-19.
Em reação à fala, o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, reiterou a posição da chanceler federal de que "as máscaras são um meio importante e, do ponto de vista atual, essenciais para manter baixo o número de infecções" em qualquer lugar da vida pública onde a distância mínima não é garantida.
Seibert acrescentou que a máscara serve para proteger a si e aos outros, "seja no ônibus, no metrô ou no comércio". "A ideia é manter a obrigatoriedade do uso de máscara", ainda mais agora, nas férias do verão europeu, quando a mobilidade volta a aumentar, afirmou.
Além disso, o porta-voz observou que muitas pessoas estão viajando, e regiões com um número reduzido de casos do coronavírus estão recebendo pessoas de outras partes do país.
"Essa nova mobilidade vai ser celebrada, torna as nossas vidas mais fáceis e mais bonitas, mas deve ser acompanhada pelo cumprimento das regras que nos ajudaram tão bem na luta contra a pandemia nos últimos meses", disse Seibert , referindo-se ao distanciamento social, às regras de higiene e ao uso da máscara.
Além de Merkel, o ministro alemão da Saúde e outras lideranças políticas também reagiram à declaração do secretário de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental. Em entrevista à rádio Deutschlandfunk, Jens Spahn disse ser importante "que não sejamos descuidados".
"Eu entendo perfeitamente o desejo de voltar à vida cotidiana como era antes, eu entendo a impaciência – usar máscaras nem sempre é agradável. Mas vemos que em espaços fechados em particular, e onde a distância mínima nem sempre é garantida, máscaras podem fazer a diferença", acrescentou o ministro.
A liderança da União Democrata-Cristã (CDU), partido de Merkel, tem a mesma opinião. "O coronavírus não está de férias", disse o secretário-geral da sigla, Paul Ziemiak, acrescentando que "usar máscara é sexy".
O colíder do Partido Social-Democrata (SPD), legenda que compõe a coalizão do governo federal ao lado da CDU, também defendeu o uso compulsório da máscara. "Devemos exercitar a cautela aqui", disse Norbert Walter-Borjans ao jornal Bild no domingo.
Os estados alemães, que são responsáveis por estabelecer e suspender as medidas de contenção ao coronavírus em seus territórios, tornaram obrigatório o uso da máscara em transportes públicos e estabelecimentos comerciais em abril.
Segundo a imprensa alemã, a medida voltou a ser discutida nesta segunda-feira pelos titulares da Saúde nos estados e no governo federal, que decidiram manter a obrigatoriedade até mesmo em lojas, sob a justificativa de que não se pode passar aos alemães a falsa impressão de que a epidemia acabou.
O debate surgiu num momento em que a Alemanha soma cerca de 5.800 casos ativos de covid-19. O número total de infectados desde o primeiro caso de contágio registrado no país, no final de janeiro, é de 196.554, com 219 novos casos nas últimas 24 horas. Já o total de mortos é de 9.016 até o momento, sendo que nenhum óbito foi registrado em 24 horas.
EK/afp/ap/dpa/rtr/efe/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos