TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

domingo, 16 de agosto de 2020

"ACORDO ENTRE AS PARTES: Advogadas alertam que a pandemia não é impeditivo para consumidor buscar direitos e sugerem conciliação"

Elaine Freire, de Cuiabá (MT), e Fernanda Xará, de Guanambi (BA), ressaltam que a pandemia deixou todo mundo em situação de fragilidade e por isso sugerem a conciliação. As advogadas Elaine Freire, de Cuiabá (MT), e Fernanda Xará, de Guanambi (BA), alertaram, durante live pelo Instagram, que o consumidor deve, sim, buscar seus direitos mesmo diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Além do consumidor final, os empresários e os fornecedores estão quase que sem rumo diante de contratos realizados antes da propagação do novo coronavírus e por isso ambas sugerem que o consumidor opte pela conciliação para evitar maiores desgastes. “Há diversas possibilidades para tentar resolver a situação, como termos aditivos, acordos e também temos Medidas Provisórias, que não nos deixaram totalmente desamparados, apesar de estarem cheias de brechas”, comentou Xará.
Elaine Freire concordou que este é um momento extraordinário e pegou todos de surpresa. No entanto, observou a advogada, o empresário assumiu um risco quando decidiu empreender, então ele tem um dever com a pessoa que o contratou.
“Porém, como é um momento caótico, a gente precisa ter maturidade, buscar conciliar, conversar, acordar, para que nem o consumidor, empresário e o fornecedor saiam prejudicados”, ponderou.
A advogada de Cuiabá ressaltou que é necessário ter cautela e que, sim, o consumidor tem seus direitos, mas como é um fato que afeta a todos, não é só ele que não pode sair lesado dessa situação.
As especialistas comentaram que há estabelecimentos, a exemplo da área da saúde, como hospitais, laboratórios, farmácias e drogarias, que podem realizar práticas abusivas, e alertaram que o consumidor deve sempre questionar e buscar as medidas cabíveis.
“Caso não tenha acordo ou reembolso, a alternativa é buscar meios jurídicos, o Procon, entre outras as alternativas para que o consumidor não fique lesado. Mas, repito, é sempre bom tentar uma conciliação, porque um processo é desgastante e consome não só financeiramente, mas psicologicamente também”, disse Freire.
“Tudo deve ser dialogado, conversado. O que deve prevalecer é o bom senso. A partir do momento em que esse bom senso é ferido, acabou a boa-fé, já está na hora de intensificar com o que se tem ao nosso favor. É o litigioso, o judiciário, e tem que buscar esses caminhos para mudar essa cultura”, afirmou Xará.
As advogadas comentaram que diante da pandemia o Poder Judiciário está agindo com cautela e tentando equilibrar as partes envolvidas. A interpretação do judiciário está se alterando e Freire destacou que “cada caso é um caso e precisa ser analisado. O consumidor tem que fazer a sua parte para que os abusos não continuem ocorrendo”.
Elaine Freire e Fernanda Xará entendem que a partir deste ano, 2020, o direito não será mais o mesmo e que todos os profissionais, de todas as áreas, ainda estão tentando compreender como será de agora em diante.
Sandra Carvalho/Caminho Político
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos