SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 30 de agosto de 2020

"CORONAVÍRUS: Mundo supera 25 milhões de casos de covid-19"

Homem tem temperatura medida por profissional de saúde com máscaraMarca é alcançada após Índia bater recorde mundial de infecções diárias, ao registrar mais de 78 mil casos de coronavírus em 24 horas. Quatro em cada dez infectados no mundo estão nos EUA ou no Brasil. O mundo ultrapassou neste domingo (30/08) 25 milhões de casos confirmados de infecção pelo coronavírus Sars-Cov-2, segundo contagem mantida pela Universidade Johns Hopkins. Estados Unidos, Brasil e Índia lideram a lista de países mais afetados, com milhões de infectados cada. Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser muito maiores em todo o mundo, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação. Só nos EUA, acredita-se que a cifra real seja dez vezes maior que a oficial, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano.
Desde meados de julho, um milhão de novos casos são detectados globalmente a cada quatro dias, aproximadamente.
O ritmo mundial de novas infecções se estabilizou. Levou cerca de três semanas para o total de casos subir de 20 milhões para 25 milhões. Em comparação, foram 19 dias entre 15 milhões e 20 milhões, 24 dias entre 10 milhões e 15 milhões, e 39 dias entre 5 milhões e 10 milhões.
A marca de 25 milhões foi alcançada no mesmo dia em que a Índia registrou um recorde mundial de novos casos diários. Foram 78.761 infecções em 24 horas. Até então, o número mais alto num único dia havia sido reportado pelos EUA em meados de julho, com 77.299 casos.
O aumento no país asiático, onde vivem 1,3 bilhão de pessoas, ocorre após o governo reduzir ainda mais as medidas restritivas, a fim de ajudar a aliviar a pressão sobre a economia em crise. As autoridades indianas anunciaram a reabertura do metrô na capital, Nova Délhi, e também permitirão esportes e eventos religiosos de forma limitada em setembro.
A Índia, que chegou a impor uma das quarentenas mais duras do mundo no início da pandemia, agora é o terceiro país mais afetado, com um total de 3,54 milhões de casos confirmados. É também a nação que registra atualmente as maiores cifras diárias de novas infecções, tendo computado mais de 75 mil novos casos por quatro dias consecutivos.
Parte disso se deve ao alto índice de testagem no país: a Índia realiza hoje quase 1 milhão de testes de covid-19 todos os dias, em comparação com apenas 200 mil dois meses atrás.
Mas em números absolutos, Estados Unidos e Brasil ainda somam mais casos. Os EUA têm 5,96 milhões de infecções, enquanto o Brasil acumula 3,84 milhões. Isso significa que, a cada dez infectados no mundo, quatro estão em território americano ou brasileiro.
Ao longo dos últimos sete dias, puxada pela Índia, a Ásia foi a região que mais registrou novos casos. Foram mais de 570 mil em uma semana no continente. Em seguida vêm América Latina e Caribe (552 mil), Canadá e Estados Unidos (296 mil), Europa (221 mil), Oriente Médio (80,9 mil), África (59,6 mil) e Oceania (1.670 casos).
Ao todo, América Latina e Caribe compõem a região do mundo com mais infecções, somando 7,22 milhões, embora alguns países estejam começando a mostrar um leve declínio nos contágios.
Em relação às mortes, o mundo soma atualmente mais de 843 mil óbitos relacionados à covid-19. EUA e Brasil também estão na liderança, com 182 mil e 120 mil mortos, respectivamente. O terceiro país com mais vítimas é o México, que soma mais de 63,8 mil vidas perdidas. A Índia aparece logo em seguida, com 63,4 mil mortes.
Com a primeira onda do vírus ainda chegando ao pico em alguns países e o ressurgimento de casos em outros, os governos mundiais ainda estão divididos em suas respostas. Algumas nações estão reintroduzindo medidas rígidas de saúde pública, enquanto outras continuam flexibilizando as restrições.
EK/afp/rtr/lusa/ap/ots/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos