SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 30 de agosto de 2020

"O torneio mais questionável do mundo"

Tenista Andy Murray de máscara protetora e mochilaCom o US Open, o tênis vai ser mega novamente: direitos de transmissão, publicidade... Pandemia? Ah, é... Para os cartolas do nobre esporte, dinheiro é o que conta, mesmo à custa dos esportistas, opina Marko Langer. Bem, vamos começar pelo positivo: pelo menos os cartolas da Associação de Tênis dos Estados Unidos (USTA) conseguiram concentrar dois torneios na mesma locação: antes do começo do Aberto dos EUA (US Open), nesta segunda-feira (31/08), transcorre também no gigantesco estádio em Nova York a competição originalmente programada para Cincinatti. Assim, jogadoras e jogadores ficam poupados da viagem através da metade do país: passando por diversos estados e rodovias, seriam 1.019 quilômetros; de avião, duas horas.
Mas aqui praticamente acabaram as boas notícias. Pois se os quase 350 esportistas chegarem ao fim do torneio, em 13 de setembro sãos e salvos, ou seja, sem contrar a covid-19 – o que se deseja sinceramente –, quase todos vão embarcar num avião, a maioria com destino à Europa: em Paris começa em 21 de setembro o French Open, no Estádio Roland-Garros, reformado a altos custos.
Já em tempos normais, seria uma viagem estranha: primeiro EUA, depois Europa, primeiro quadra dura, depois saibro. Mas os tempos não são normais, e o comportamento dos responsáveis pelo tênis profissional tampouco.
Nunca esteve tão óbvio até que ponto as associações de tenistas masculinos, ATP, e femininas, WTA, a Federação Internacional de Tênis (ITF) e os promotores dos grandes torneios Grand Slam (atrás dos quais estão as diversas associações nacionais) são incapazes de dar um formato sustentável a seu esporte.
Em vez disso, o que conta são dinheiro e negócios. ESPN, Tennis Channel, Eurosport: todas querem transmitir os jogos, pacotes para patrocinadores estão vendidos, espaço para publicidade, programação em horário nobre.
Coronavírus? Ah, é mesmo...
The show must go on. E no entanto, paralelamente à pandemia, há um outro assunto: os jogadores de basquetebol da NBA e profissionais de outras ligas dos EUA acabam de provar que, diante da violência policial de fundo racista, o país não pode mais simplesmente continuar com o show.
No tênis profissional, a vencedora do Aberto de 2018, Naomi Osaka, emitiu um sinal eloquente, com sua recusa provisória de participar das semifinais do torneio preparatório em Nova York, no fim de agosto. "Como mulher negra, tenho a impressão de que há coisas muito mais importantes, exigindo atenção imediata, do que assistir a jogos de tênis", declarou no Twitter.
Os organizadores acataram a deixa dela – um tanto a contragosto – e cancelaram todo dia de competição. Fora isso, partindo dos representantes do esporte tradicionalmente "branco", escuta-se relativamente pouco a respeito do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).
A maioria dos tenistas profissionais no momento reunidos em Nova York frisará quão contente está de poder voltar a se apresentar – mesmo que seja para a bacia gigante chamada Arthur Ashe Stadium totalmente deserta: nada de espectadores, apenas supervisores nas arquibancadas.
Em compensação, apresentou-se um elaborado esquema de higiene, de sete páginas, denominado Health and safety plan – o qual, aliás, prevê que os atletas sejam testados para o coronavírus já no Marriott-Uniondale, um dos hotéis para jogadores mais disputados.
US Open 2020? Um dos torneios de tênis mais questionáveis do mundo. A Associação Alemã de Tênis (DTB) tomou uma boa decisão ao se limitar à série regional de torneios. O All England Lawn Tennis & Croquet Club (AELTC) fez melhor aindar: Grand Slam em tempos de pandemia? Wimbledon? Cancelados.
Para todos aqueles que pretendam reservar passagem da Alemanha para o French Open em Paris: o governo federal desaconselha expressamente viagens à cidade da Torre Eiffel.
Marko Langer/Caminho Politico
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos