TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

"Harmonização corporal: a nova era do autocuidado e estética"

O autocuidado segue despertando uma visão mais holística do corpo – tanto em relação à saúde quanto à estética. Com a tendência da vida fitness, por exemplo, as linhas entre alimentação balanceada, exercício físico e cuidados com a pele seguem cada vez mais cruzadas. E não para por aí: gerações como a millennial e a Z focam cada vez mais na região dos ombros para baixo. Após tempos em destaque, a face cede espaço (e atenção) para o corpo como um todo. Isto, principalmente, no que diz respeito ao desejo de manter o frescor da juventude ou levar o corpo de volta aos contornos que um dia já apresentou. Com os grandes avanços tecnológicos no tratamento das imperfeições corporais, o corpo tem sido intitulado como “a nova face”. Em busca de um corpo mais definido – com menos flacidez, celulite e gordura localizada –, muitos aparelhos têm auxiliado as pessoas na conquista do tão sonhado “Hollywood Body Shape”. Inclusive, um conceito já bastante difundido no tratamento facial migrou para o corpo também. Trata-se do que chamamos de “Harmonização Corporal”.
No entanto, antes de avaliar o melhor tratamento ou combinação de tratamentos estéticos, é preciso entender como funciona o universo corporal. Afinal, existem diversos biotipos corpóreos. Entre as mulheres, por exemplo, constam cinco tipos físicos: ampulheta ou violão (o mais desejado por elas), triângulo ou pera, triângulo invertido, retângulo e oval (maçã). Compreender qual é o seu é o primeiro passo.
Hoje, a tecnologia com maior impacto na remodelação do contorno corporal é a CoolSculpting (criolipólise), que é capaz de reduzir cerca de 27% do volume de gordura localizada em uma única sessão de forma não invasiva. O tratamento usa temperaturas frias para destruir células de gordura (o que chamamos de apoptose ou morte celular programada dos adipócitos), evitando queimaduras na pele sobreposta.
É baseado na descoberta de que o tecido adiposo pode ser danificado pelo resfriamento a temperaturas que não prejudiquem a pele, os nervos, os vasos sanguíneos ou o tecido muscular circundante. O procedimento tem como alvo áreas de gordura que são resistentes a exercícios ou dietas, oferecendo uma alternativa não invasiva à lipoaspiração.
Em relação ao combate da flacidez corporal, diversos protocolos também têm evoluído e alcançam resultados ainda mais consistentes. Não é novidade que após os 30 anos de idade perdemos cerca de 1% do colágeno corporal ao ano. Mas, o que muitas pessoas esquecem é o fato de que, sim, é possível estimular o organismo a produzir e também manter nossa reserva de colágeno. Isto, por meio de tratamentos bioestimuladores de colágeno. Ou seja, aplicando produtos injetáveis nas áreas com maior flacidez – como braços, abdômen, face interna das coxas, glúteos e joelhos.
Esses produtos geram um processo inflamatório controlado no local aplicado, que acordam os fibroblastos e aumentam a produção do colágeno endógeno, o que produz um banco de colágeno. As substâncias utilizadas para isso são duas: hidroxiapatita de cálcio (Radiesse) e/ou o ácido polilático (Sculptra). Elas devem ser aplicadas com média de três sessões, com intervalos mensais a cada dois anos.
Combinada aos tratamentos bioestimuladores, uma nova tecnologia surgiu e tem revolucionado o tratamento tanto da flacidez tissular (pele) quanto da flacidez muscular: o ultrassom micro e macrofocado (Ultraformer III). Ele emite uma onda acústica capaz de penetrar a pele e atingir o SMAS (sistema músculo aponeurótico superficial), o que gera colunas de coagulação na membrana que reveste o músculo e promove uma retração tanto da pele quanto do músculo. A pele literalmente cola.
Em relação à celulite, aparelhos – como o Velashape – combinam radiofrequência, endermologia e infravermelho de forma simultânea. Dessa forma, eles conseguem tratar todas as causas da celulite, como retenção de líquido com a drenagem mecânicas dos roletes por meio da endermologia, melhorar a celulite por flacidez e gordura localizada através da combinação da radiofrequência e do infravermelho.
Essa tecnologia também tem sido utilizada em combinação com o descolamento mecânico das traves de fibrose das celulites com graus mais elevados – subcisão. Além disso, em alguns casos, faz-se necessário, além do descolamento cirúrgico das áreas de fibrose da celulite, a aplicação de preenchimentos para superficializar as irregularidades deixadas pela má oxigenação tecidual da celulite.
É claro que todas essas tecnologias devem estar sempre aliadas à boa e velha dieta e atividade física. Mas, com os avanços conquistados com essa gama de recursos, torna-se cada vez mais palpável a possibilidade de obter um corpo harmonizado – digno do tão almejado tapete vermelho hollywoodiano.
Karin Krause Boneti é médica dermatologista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos