SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

sábado, 5 de setembro de 2020

"CORONAVÍRUS: Brasil supera 125 mil mortes pela covid-19"

Valas abertas em cemitério em São PauloPaís registrou mais de 800 óbitos nas últimas 24 horas, elevando o total de vítimas para 125.502. Com mais de 50 mil novos casos, número de infectados chega a 4,09 milhões.O Brasil ultrapassou nesta sexta-feira (04/09) a marca de 125 mil mortes ligadas à covid-19, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde. Segundo o Conass, nas últimas 24 horas o país registrou 871 mortos em decorrência da doença, o que elevou o total de vítimas para 125.502. Também foram reportados mais 51.638 casos de infecção pelo coronavírus. Assim, o total de ocorrências chega a 4.091.801. Os números diários divergem dos divulgados pelo Ministério da Saúde. A pasta reportou 50.163 novos casos e 888 mortes nesta sexta-feira, mas informa o mesmo total acumulado que o Conass, devido a divergências nos números do dia anterior.
Ao todo, 3.278.243 pessoas se recuperaram da doença, e 688.056 estão em acompanhamento, segundo o ministério. O Conass não divulga número de recuperados.
Diversas autoridades e instituições de saúde alertam que os números reais de casos e mortes devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.
O ritmo de transmissão da covid-19, por sua vez, está em desaceleração. Segundo dados desta semana do Imperial College de Londres, a taxa de contágio no país é de 0,94, a mais baixa desde o final de abril. O índice, que mostra para quantas pessoas um paciente contaminado transmite o vírus, era 1 na semana passada, e 0,98 na semana anterior.
Mas entidades de saúde alertam que ainda é cedo para declarar vitória e que medidas de contenção contra o coronavírus não podem ser relaxadas no país.
São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 845.016 casos e 31.091 mortes. O total de infectados no território paulista supera os registrados em praticamente todos os países do mundo, exceto Estados Unidos (6,1 milhões), Índia (3,9 milhões) e Rússia (1 milhão). Ou seja, se São Paulo fosse um país, seria o quinto mais afetado do planeta.
A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 268.137, seguida do Rio de Janeiro, com 232.489 infecções, e Ceará, com 230.105. Minas Gerais vem em quinto na lista, com 228.013 ocorrências positivas.
Já em número de mortos, o Rio é o segundo estado com mais vítimas, somando 16.467 óbitos. Em seguida vêm Ceará (8.555), Pernambuco (7.619), Pará (6.228), Minas Gerais (5.708) e Bahia (5.590).
A taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes é atualmente de 59,7 no Brasil – cifra bem acima da registrada em países vizinhos como a Argentina (21,04) e o Uruguai (1,28). O número brasileiro também supera o dos Estados Unidos, o país mais atingido do mundo, que tem taxa de mortalidade de 57,09.
Por outro lado, nações europeias duramente atingidas, como o Reino Unido (62,59) e a Bélgica (86,67), ainda aparecem à frente, embora suas taxas estejam praticamente estabilizadas, enquanto a brasileira segue crescendo.
Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais infecções e mortes por coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam 6,18 milhões de casos. Ao todo, mais de 187 mil pessoas morreram pela covid-19 no país.
A Índia, que chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia e depois flexibilizou as restrições, agora é a terceira nação com mais infectados e mortos, somando 3,93 milhões de casos e 68,4 mil óbitos.
Ao todo, o mundo já registrou mais de 26,4 milhões de pessoas infectadas pelo coronavírus, enquanto mais de 871 mil morreram em decorrência da doença.
EK/ots/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos