DIRETO DA VENEZUELA

DIRETO DA VENEZUELA
Tweets por ‎@infoenlaceweb INSTAGRAM @INFOENLACEWEB

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 15 de setembro de 2020

"Lula é alvo de mais uma denúncia da Lava Jato"

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da SilvaForça-tarefa no Paraná acusa ex-presidente de lavagem de dinheiro, em caso que envolve repasses de R$ 4 milhões da Odebrecht ao Instituto Lula. É a quarta denúncia dos procuradores em Curitiba contra o petista.A força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná denunciou nesta segunda-feira (14/09) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo crime de lavagem de dinheiro, em caso que envolve doações da Odebrecht ao Instituto Lula. É a quarta denúncia dos procuradores em Curitiba contra o petista.
O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, que assinou acordo de delação premiada, e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, também foram denunciados pelo mesmo crime.
Segundo os procuradores, a empreiteira repassou ao instituto um total de R$ 4 milhões em propinas entre dezembro de 2013 e março de 2014. Os valores, quitados em quatro parcelas de R$ 1 milhão, teriam sido contabilizados como doações oficiais à organização.
A denúncia usou como base as delações de Palocci e Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa, além de e-mails e planilhas apreendidos em buscas realizadas em fases anteriores da Lava Jato.
Na acusação, a Procuradoria incluiu como prova uma planilha de pagamentos da Odebrecht nomeada "Italiano", um codinome associado a Palocci. Essa planilha, de acordo com a Lava Jato, lista o repasse de R$ 4 milhões em uma subconta de propinas identificada como "amigo", apelido que a acusação acredita se referir ao ex-presidente.
Além disso, num e-mail citado pelos procuradores, Marcelo Odebrecht teria afirmado ao diretor do departamento de propinas da empresa, Alexandrino Alencar, e ao supervisor do setor, Hilberto Silva, que os valores deveriam ser debitados do saldo da conta "amigo".
Na mensagem, repleta de códigos, a Lava Jato entendeu que o ex-presidente da empreiteira disse que o dinheiro sairia de um saldo que Lula tinha com ele de R$ 14 milhões.
Segundo a denúncia, o e-mail foi enviado em 26 de novembro de 2013. Duas semanas depois, em 16 de dezembro, o primeiro repasse de R$ 1 milhão teria sido feito ao Instituto Lula. Os demais foram realizados em 31 de janeiro, 5 de março e 31 de março de 2014, afirmou a Procuradoria.
Defesa nega irregularidades
Em nota, a defesa do petista disse que a força-tarefa faz "acusações sem materialidade contra seus adversários, no momento em que a ilegalidade de seus métodos em relação a Lula foi reconhecida recentemente em pelo menos três julgamentos realizados pelo Supremo Tribunal Federal".
Segundo o texto, a Lava Jato está tentando criminalizar quatro doações legítimas da Odebrecht, que estão "devidamente documentadas por meio de recibos emitidos pelo Instituto Lula – que não se confunde com a pessoa do ex-presidente – e foram devidamente contabilizadas".
"Essa nova investida da Lava Jato contra Lula reforça a necessidade de ser reconhecida a suspeição dos procuradores de Curitiba em relação ao ex-presidente, que está pendente de análise no Supremo Tribunal Federal, assim como a necessidade de ser retomado o julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro – a fim de que os processos abertos pela Lava Jato de Curitiba em relação a Lula sejam anulados", declarou o advogado Cristiano Zanin Martins.
Essa é quarta denúncia da Lava Jato no Paraná contra Lula desde o início das investigações, em 2014, e a primeira sob o comando de Alessandro José Fernandes de Oliveira, que assumiu a chefia da força-tarefa no início deste mês, substituindo Deltan Dallagnol.
As outras três denúncias acabaram tornando o ex-presidente réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, e duas delas terminaram em condenações ratificadas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).
EK/ots/cp
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos