TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

"MEIO AMBIENTE: Em defesa do Pantanal, senadores vão a ministros, vice-presidente e ao STF "

Comissão Temporária aprovou plano de trabalho e recebeu a minuta do Estatuto do Pantanal, que será aperfeiçoado com debates.
Senadores que integram a Comissão Temporária Externa do Pantanal decidiram nesta quarta-feira, 23, que irão pessoalmente aos ministros de Estado de Agricultura, de Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional; ao vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, e também ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, pedir participação ativa dessas autoridades nas ações efetivas em defesa do Pantanal, que está em chamas.
Eles levarão pessoalmente o requerimento aprovado para que os ministros Rogério Marinho, Ricardo Salles e Teresa Cristina, assim como vice-presidente da República possam estar presentes na visita ‘in loco’ que a Comissão realizará no dia 3 de outubro a Corumbá, no Mato Grosso do Sul. No sábado, 19, a Comissão visitou a região de Poconé, em Mato Grosso.
Com mais de 4 mil focos de incêndios, Corumbá segue liderando o ranking de municípios com mais registros de queimadas em todo o país, boa parte dos focos estão localizados no Pantanal.
Presidente da Comissão Temporária do Pantanal, o senador Wellington Fagundes (PL-MT) afirmou que é fundamental envolver o Executivo para que, de forma objetiva, seja possível definir ações integradas em defesa do bioma, tanto em caráter emergencial - já que as chuvas ainda devem demorar para chegar -, quanto em curto e médio prazo, para evitar que os incêndios se estendam aos anos seguintes.
“Não podemos permitir que essa situação volte a acontecer no futuro. Na seca, o bioma pantanal irá pegar fogo, mas não da forma descontrolada como está neste momento” – disse o senador, que na terça-feira, 22, se mostrou alarmado com os relatos obtidos na reunião da Sala da Crise Hídrica da Bacia do Rio Paraguai, um dos principais formadores do Pantanal Mato-grossense.
No requerimento aprovado pela Comissão Temporária do Pantanal também serão convidados: o secretário Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, almirante Flávio Augusto Rocha, além de dirigentes de órgãos ligados à defesa do meio ambiente e dos setores produtivos.
Foram aprovadas também audiências públicas remotas, como a que vai discutir com o presidente do Supremo Tribunal Federal as ações de enfrentamento às queimadas no Pantanal. Haverá ainda audiências para discutir a atuação governamental no combate às chamas, com representantes do governo e da sociedade civil, visando coletar subsídios para o Estatuto do Pantanal.
O ESTATUTO DO PANTANAL
A Comissão recebeu do senador Wellington Fagundes uma minuta do projeto do Estatuto do Pantanal, cuja elaboração é um dos objetivos da comissão. A minuta é ponto de partida para a série de debates e diligências programadas no plano de trabalho, apresentado pelo relator Nelsinho Trad (PSD-MS).
O texto proposto por Fagundes busca conciliar a conservação e o uso sustentável do patrimônio natural; incentivar as atividades econômicas compatíveis com a proteção ambiental; reconhecer a organização, costumes e cultura das comunidades tradicionais e indígenas; promover a regularização fundiária; e estimular a criação de mecanismos econômicos de incentivo à conservação ambiental e ao combate aos incêndios florestais, entre outros pontos.
Durante a reunião, a senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça, sugeriu que a CTE Pantanal finalize rapidamente a proposta com normas gerais, em 30 a 40 dias, para que a Comissão de Meio Ambiente (CMA) e o Plenário as aprovem ainda este ano.
A senadora afirma que o Estatuto do Pantanal não pode vir com ruídos políticos. Segundo ela, muitas vezes criam-se obstáculos quando se fala de legislação que envolve meio ambiente e setores produtivos. “Não são antagônicos, podem ter interesses diferentes, mas não antagônicos em muitos pontos”, enalteceu Tebet. O presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado, Fabiano Contarato (Rede-ES), se comprometeu a agilizar a apreciação da matéria na comissão.
Da Assessoria/Caminho Político
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos