TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

""Não vamos controlar a pandemia", diz chefe de gabinete de Trump"

Mark Meadows afirma que vírus "é contagioso como a gripe". Declarações provocam ultraje entre a oposição democrata, que acusa Trump de nunca ter se esforçado para conter doença, que deixou 225 mil mortos nos EUA. O chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, disse neste domingo (25/10) que os EUA "não vão controlar" a pandemia de coronavírus, que já deixou quase 225 mil mortes no país.
"Não vamos controlar a pandemia. Vamos controlar o fato de termos vacinas, terapias e outras áreas de mitigação", disse Meadows ao apresentador Jake Tapper, da rede CNN.
Tapper pressionou Meadows a explicar por que o governo não pretende controlar a doença, num momento em que o vírus avança com força no meio-oeste dos EUA. Ele respondeu: "Porque é um vírus contagioso como a gripe".
Questionado sobre a recusa do governo em tornar obrigatório o uso de máscaras e o fato de Trump continuar organizando grandes eventos de campanha com aglomerações, o chefe de gabinete da Casa Branca respondeu: "Vivemos em uma sociedade livre".
A imprensa americana classificou as falas de Meadows como uma admissão excepcionalmente franca da mentalidade do governo Trump, que desde o início da pandemia evitou assumir um papel de liderança na organização de um esforço nacional para controlar o vírus. Paralelamente, membros do governo Trump e o próprio presidente evitaram seguir regras de distanciamento social e até usar máscaras ao longo da pandemia.
Por outro lado, a admissão de Meadows contrasta com falas de Trump nas últimas semanas, que tem insistido que o "vírus está indo embora".
No sábado, os Estados Unidos registraram sua segunda maior marca de novos casos de covid-19, com 84 mil americanos recebendo diagnóstico positivo. Neste domingo, o país acumulava 8.575.000 casos totais da doença, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.
As falas de Meadows provocaram críticas imediatas. O governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo, disse que elas são equivalentes a uma rendição. "Eles se renderam sem disparar um tiro. Foi a grande rendição americana ”, disse ele no domingo, segundo o jornal Daily News. "Eles acreditaram desde o início que não poderiam controlar o vírus", disse ele.
Em contraste, Cuomo disse que seu estado foi capaz de controlar a doença. Depois de um início caótico, que fez com que a cidade de Nova York fosse um dos epicentros mundiais da doença, a taxa de infecção foi reduzida a uma das mais baixas dos EUA por meio de um programa agressivo de testes e rastreamento de contatos.
Já a democrata Kamala Harris, que concorre à vice-presidência na chapa de Joe Biden, acusou o governo Trump de admitir a derrota. "Eles reconhecem seu fracasso”, criticou Harris a repórteres em Michigan. "É o maior fracasso de uma administração presidencial na história dos Estados Unidos”, completou.
Biden, compartilhou da opinião de Harris, dizendo que Meadows "admitiu que o governo desistiu de tentar controlar esta pandemia, que desistiu de seu dever básico de proteger o povo americano."
"Já passou da hora de o presidente Trump e seu governo ouvirem os cientistas, agirem e finalmente levarem a sério a ameaça de um vírus que está custando milhares de vidas a cada semana, fechando nossas escolas e forçando milhões de americanos a perder o trabalho", disse Biden.
JPS/afp/ots/cp
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos