SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 25 de outubro de 2020

"Opositor Leopoldo López foge da Venezuela"

Adversário do regime chavista chegou à Espanha neste domingo, após permanecer 18 meses refugiado na residência do embaixador espanhol em Caracas. O líder oposicionista venezuelano Leopoldo López chegou neste domingo (25/10) a Madri, Espanha, após permanecer refugiado 18 meses na residência do embaixador espanhol em Caracas, segundo informou seu pai.
"Sim, posso confirmar que está em Madri", disse Leopoldo López Gil, que é eurodeputado pelo Partido Popular (PP). López Gil se negou a afirmar de qual país o líder opositor de 49 anos chegou. No dia anterior, ele apontou que, após abandonar a residência do embaixador espanhol em Caracas, saiu da Venezuela "clandestinamente" pela fronteira com a Colômbia.
Jornalistas durante toda a manhã na área de desembarque internacional no aeroporto de Madri-Barajas não conseguiram ver Leopoldo López, o que faz pensar que ele saiu pelo portão reservado para autoridades. Em Madri, López se reunirá com seu pai, sua esposa Lilian Tintori e seus três filhos, que moram na capital espanhola, que abriga outros líderes opositores que deixaram da Venezuela, como o ex-prefeito de Caracas Antonio Ledezma.
"Venezuelanos, essa decisão não foi fácil, mas estejam certos que podem contar com este servidor para lutar em qualquer espaço", escreveu no Twitter o próprio López na noite de sábado.
López, ex-prefeito do município de Chacao, foi sentenciado em 2015 a quase 14 anos de prisão, acusado de incitação à violência em protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro que deixaram 43 mortos e cerca de 3.000 feridos entre fevereiro e maio de 2014.
Em 2017, foi para a prisão domiciliar. López havia procurado abrigo residência do embaixador espanhol em Caracas em 30 de abril de 2019, após liderar, junto com Juan Guaidó - o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela -, uma tentativa de levante para derrubar Nicolás Maduro. No entanto, a iniciativa fracassou ao não contar com a adesão das forças militares, que permaneceram fiéis ao governo chavista.
Juan Guaidó afirmou que, com a saída do país de seu mentor político, a "tática repressiva" de Maduro foi "ridicularizada".
"Maduro, você não controla nada. Contornado sua tática repressiva, conseguimos levar ao território internacional nosso Comissário para o Centro de Governo, Leopoldo López", tuitou Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cerca de cinquenta países.
O exílio de López ocorre faltando poucas semanas para as eleições parlamentares de 6 de dezembro, impulsionadas pelos aliados de Maduro mas que estão sendo boicotadas por cerca de trinta partidos que as denunciam como uma "fraude" que não conta com garantias de transparência.
JPS/afp/ots/cp
@caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos