SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

CORONAVÍRUS: Fiocruz estima iniciar vacinação contra covid-19 até março

 

Fundação fabricará imunizante desenvolvido pela farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Produção no Brasil deve começar em janeiro ou fevereiro.A presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, estimou nesta segunda-feira (02/11) que a vacinação contra a covid-19 no Brasil começará até o fim do primeiro trimestre de 2021.
Segundo Trindade, a instituição prevê o início da produção da vacina em janeiro ou fevereiro. A Fiocruz vai fabricar o imunizante desenvolvido pela farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. No momento, a vacina está na terceira fase de testes, a última antes de ser submetida para aprovação.
O acordo de cooperação foi anunciado pelo governo brasileiro no fim de julho. De acordo com a presidente da Fiocruz, todo o processo de produção da vacina será acompanhado pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa).
"A expectativa é que possamos encaminhar a vacina entre os meses de janeiro e fevereiro para começar a produção. A Agência de Vigilância Sanitária irá acompanhar todo o processo. Assim, temos a expectativa de que o processo de imunização [no Brasil] comece a ser feito no 1º trimestre de 2021", disse.
Na semana passada, a AstraZeneca apontou que a vacina apresentou uma forte respostaimunológica entre idosos, semelhante à registrada em adultos mais jovens.
A idade é um dos principais fatores de risco da covid-19, devido ao enfraquecimento do sistema imunológico ao longo dos anos. Por isso, os idosos são um dos grupos que mais precisam de proteção contra a doença.
Em julho, resultados preliminares dos ensaios clínicos da vacina já indicavam que ela gerava anticorpos e células T no grupo de adultos saudáveis com idade entre 18 e 55 anos.
Uma vacina é vista como uma virada no jogo na batalha contra a covid-19, que já resultou na morte de mais de 1,15 milhão de pessoas em todo o mundo e gerou uma grave crise econômica global.
Os estudos clínicos da vacina de Oxford e da AstraZeneca são uns dos mais avançados atualmente. O imunizante deve ser um dos primeiros a ser aprovado no mundo.
Essa vacina usa um adenovírus que carrega um gene para uma das proteínas do coronavírus Sars-Cov-2. O adenovírus é projetado para induzir o sistema imunológico a gerar uma resposta protetora contra o vírus causador da covid-19. A tecnologia ainda não foi usada em uma vacina aprovada para uso humano, mas foi testada em vacinas experimentais contra outros vírus, como o causador do ebola.
O imunizante de Oxford foi o primeiro a receber autorização para testes no Brasil. Depois, mais três receberam a autorização, o mais recente da Janssen, unidade farmacêutica da Johnson & Johnson.
Em setembro, a Fiocruz assinou o contrato de Encomenda Tecnológica (Etec) com a AstraZeneca. A Etec garante ao Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) o acesso a mais de 100 milhões de doses do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para o processamento final (formulação, envase, rotulagem e embalagem) e controle de qualidade, ao mesmo tempo em que garante à Fiocruz a transferência total da tecnologia.
JPS/ots/cp
@caminhopolitico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos