SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 8 de novembro de 2020

Kamala Harris, a primeira mulher vice-presidente dos EUA

A democrata de ascendência indiana e jamaicana costuma ser pioneira nos cargos que ocupa. Agora entrará para a história como a primeira mulher a ocupar a vice-presidência dos Estados Unidos. É fácil descrever o cálculo político que levou o presidente americano recém-eleito, Joe Biden, a indicar Kamala Harris como sua vice-presidente. Mais difícil é definir qual é exatamente a linha política dela, em termos de conteúdo.
Dentro de, no mínimo, 25 anos, a maioria da população americana não será mais branca. Desde já, há cada vez mais eleitores cujas raízes não são europeias, mas sim asiáticas ou africanas. Ao escolher Harris, Biden, enquanto "homem branco velho de Delaware", queria mostrar que entendeu os sinais dos tempos.
A mãe de Harris, a conceituada pesquisadora de câncer da mama Shyamala Gopalan, emigrou em 1960 da Índia para os Estados Unidos; seu pai, o professor de economia Donald J. Harris, vinha da Jamaica. Quando ela tinha sete anos, ambos se divorciaram. Kamala e a irmã Maya cresceram primeiro em Montréal, Canadá, onde a mãe ocupava um posto como pesquisadora. Mais tarde, retornaram a Oakland, Califórnia, local de nascimento da futura vice-presidente americana.
Exclusão convertida em impulso de sucesso
Harris se refere com frequência a suas raízes, acentuando o quanto a marcam até hoje as vivências de exclusão que teve na Califórnia dos anos 1970, devido à cor de sua pele. Igualmente marcante, contudo, foi o espírito batalhador da mãe, ativa no movimento de direitos civis do campus da Universidade de Berkeley.
"Minha mãe nos educou para sermos mulheres fortes", escreve Harris em sua recém-lançada autobiografia, The truths we hold (As verdades que contemos). Shyamala ensinava às filhas: "Não fiquem sentadas aí se queixando. Façam algo!" Uma ordem que, ao que tudo indica, Kamala tomou à risca.
Ela estudou Ciências Políticas e Economia na Universidade Howard, em Washington, depois Direito em San Francisco. Após licenciar-se em 1990, iniciou a carreira de promotora, conquistando rapidamente fama de mulher combativa, de intelecto hiper-aguçado.
Em sua autobiografia, a democrata narra como converteu as vivências precoces de exclusão no impulso para ser a primeira, uma pioneira em diversos campos. Em 2003, foi eleita primeira procuradora-geral do distrito e da cidade de San Francisco. Em 2010 candidatou-se à vaga de procuradora-geral da Califórnia, e se impôs contra seis outros candidatos, assumindo em 3 de janeiro de 2011.
Nos EUA, esse cargo equivale a uma combinação de secretária da Justiça e procuradora-geral da República. Harris foi não só a primeira mulher a ocupá-lo, mas também a primeira pessoa de origem indiana e afro-americana.
Linha política controversa
Desde cedo, seus posicionamentos políticos causaram polêmica. Se, por um lado, se manifestava contra a pena de morte, por outro indignou a ala mais à esquerda do Partido Democrata ao votar para que os responsáveis pelos "matadores de aula" crônicos nas escolas fossem punidos com até um ano de prisão.
No início de 2015, anunciou sua candidatura para o Senado, contando com apoio de uma ampla base democrata, incluindo o então presidente Barack Obama – cuja candidatura presidencial ela, por sua vez, apoiara – e do vice-presidente Joe Biden. Em 2017 ela se tornou a segunda senadora americana negra.
Desde 2014 Harris é casada com o advogado judeu Douglas Emhoff, pai de duas crianças. Em diversas ocasiões foi cogitada como pretendente democrata à presidência dos Estados Unidos. Ao finalmente confirmar sua candidatura, em 2019, inicialmente era a favorita, à frente dos concorrentes Joe Biden, Bernie Sanders e Elizabeth Warren.
Porém sua apreciação nas pesquisas de opinião foi caindo, e em dezembro ela renuncio à candidatura. Apesar de muitas vezes ter se chocado de frente com Biden durante a pré-campanha, ele a indicou como sua eventual vice-presidente.
Em geral, trata-se de um cargo com sentido meramente estratégico, a fim de angariar votos que o candidato presidencial não conseguiria. No caso de Harris, contudo, a escolha como vice-presidente tem um significado muito maior.
Ao ser empossado, Joe Biden será o presidente mais idoso da história americana, com 78 anos. É perfeitamente possível que ele não consiga cumprir até o fim seus quatro anos de mandato. Aí, sem necessidade de novas eleições, Kamala Harris assumirá. E mais uma vez será a primeira, como mulher de cor à frente da Casa Branca.
Ines Pohl/Caminho Político
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos