The New York Times Company

The New York Times Company
Get the best of The Times in your inbox. Our newsletters are free, and you can unsubscribe at any time.

Mobilidade Urbana - Prefeitura de Cuiabá - Secretario Juares Samaniego

Mobilidade Urbana - Prefeitura de Cuiabá - Secretario Juares Samaniego
Endereço: Rua 13 de Junho, 1289 Telefone: (65) 3315-4220

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo,

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Angola: Tribunal rejeita em definitivo legalização do partido de Chivukuvuku

O Tribunal Constitucional angolano rejeitou, em definitivo, a legalização do projeto político PRA-JA Servir Angola, liderado por Abel Chivukuvuku, por "não suprir insuficiências". Nova tentativa só daqui a 4 anos. A decisão do plenário de juízes do Tribunal Constitucional (TC) surge na sequência do mais recente recurso com alegações apresentado pela comissão instaladora do Partido do Renascimento Angola - Juntos por Angola - Servir Angola (PRA-JA Servir Angola), em que contestava o despacho de rejeição daquela instância, datado de 27 de agosto de 2020.
Na semana passada, Abel Chivukuvuku deu conta de uma interação "bastante positiva" com o Tribunal Constitucional, mostrando-se convicto de que a legalização do seu partido poderia acontecer ainda em dezembro. A Lusa contactou o porta-voz da comissão instaladora do PRA JA Servir Angola, Xavier Jaime, que remeteu uma reação para terça-feira (08.12).
Segundo o Acórdão nº 654/2020 de 1 de dezembro de 2020, consultado hoje pela Lusa, as alegações sobre a rejeição de recurso extraordinário de inconstitucionalidade, interposto no Acórdão 632/2020, contêm várias imprecisões.
Entre as alegações, o PRA-JA Servir Angola diz que o TC adotou um método de contagem de assinaturas que atenta, de modo flagrante, contra o princípio da boa-fé a não admitir que a recorrente concretize o seu pedido.
Na questão prévia, sobre a sua decisão, o TC recorda que o denominado "Recurso Extraordinário de Violação" interposto pela comissão instaladora do PRA JA "não existe no ordenamento jurídico angolano", sublinhando que a mesma "não corrigiu o requerimento e nem supriu as deficiências inicialmente constatadas".
"A recorrente, com o presente recurso, devia oferecer alegações de modo claro e objetivo, e concluir, de forma sintética, pela indicação dos fundamentos porque pede a anulação da decisão recorrida", lê-se no acórdão.
"Alegações ambíguas"
O plenário do Constitucional angolano diz ter constatado que "além do incumprimento do prazo legalmente fixado (15 dias depois do prazo e sem qualquer justificação)", o PRA JA juntou alegações requeridas "sem o aperfeiçoamento esperado, padecendo as mesmas de certa clareza, objetividade e maior especificação".
"Assim, este tribunal não deixa de considerar que a grande maioria das alegações apresentadas não pode ser aproveitada, por um lado, por excesso de ambiguidade na forma como expôs os seus argumentos, e por outro, pelo facto das mesmas respeitarem a outras decisões", assinala o TC.
Porque, explica o Tribunal Constitucional, as alegações que a recorrente diz estarem "aperfeiçoadas" são consideradas "deficientes, imprecisas e não indicadoras do objeto do presente recurso".Diante das alegações do presente processo e do "reiterado pedido de inscrição de partido político", adianta a instância judicial, o "Tribunal Constitucional verifica que o manifesto procedimento da recorrente visa induzir este órgão jurisdicional em erro e propiciar a violação do princípio da legalidade constitucional".
O Tribunal Constitucional recorda ainda que os acórdãos do seu plenário "não são decisões acessórias", mas de "cumprimento obrigatório, de natureza definitiva e de força imperativa geral", nos termos do nº 02 do artigo 177º da Constituição angolana.
"É exemplo que, para o caso de processos de partidos políticos subscritos por grupo de cidadãos, somente decorridos quatro anos, a contar da data de rejeição do processo de credenciamento para a inscrição de partido político ou do acórdão que o confirma, tem a possibilidade de requerer a inscrição de novo projeto partidário", acrescenta.
Processo arrasta-se desde 2019
Abel Chivukuvu saiu em 2012 da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), onde era militante desde 1974 e ex-dirigente, e, no mesmo ano, fundou a coligação Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE).
Em 2019, foi destituído da presidência pelos partidos constituintes da coligação por alegada "quebra de confiança" e iniciou em agosto o processo de legalização da sua nova formação política, o PRA-JA - Servir Angola.
O processo de legalização do PRA-JA Servir Angola arrastou-se desde agosto de 2019, com sucessivos 'chumbos' do Tribunal Constitucional, alegando irregularidades na documentação apresentada para o efeito.
Agência Lusa/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos