DIRETO DA VENEZUELA

DIRETO DA VENEZUELA
Tweets por ‎@infoenlaceweb INSTAGRAM @INFOENLACEWEB

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

ATITUDE: Lucimar Campos aprova troca para BRT: “Toda iniciativa para atender a população é bem vinda”

Governo de Mato Grosso pediu a substituição da execução das obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) pela implantação do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT) ao Ministério do Desenvolvimento Regional. A prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, destacou que a decisão do Governo de Mato Grosso em substituir a execução das obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) pela implantação do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT) levou em consideração as necessidades da população e o fim do imbróglio jurídico em torno do modal que interliga Cuiabá e Várzea Grande.
A decisão foi apresentada pelo governador Mauro Mendes nesta segunda-feira (21.12), após a conclusão dos estudos técnicos elaborados pelo Governo de Mato Grosso e pelo Grupo Técnico criado na Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana. O ofício pedindo a substituição do modal foi enviado na última sexta-feira (18.12) ao ministro Rogério Marinho, que comanda a pasta do Desenvolvimento Regional.
“Toda iniciativa voltada para atender a população que necessita de um transporte de massa eficiente, condizente com a realidade e que justifique os preços praticados é bem vida”, disse a prefeita.
A análise apontou que a continuidade das obras do VLT era “insustentável”, demoraria até seis anos para conclusão, custosa aos cofres públicos, com pouca vantagem à população e ainda contaria com uma tarifa muito alta.
“O que não pode mais, é termos uma obra paralisada desde 2014, causando graves transtornos para as duas principais cidade de Mato Grosso e um atendimento deficitário para aqueles que utilizam o transporte de massa e que pagam por este serviço. A decisão do governador Mauro Mendes levou em consideração uma série de necessidades que vão desde o fim de um imbróglio jurídico que se arrasta há muito tempo e uma solução mais rápida e que precisa contemplar vários atores, como os passageiros, a população, as cidades e seu trânsito, e até mesmo o comércio e a indústria, que foram duramente penalizados pelas obras que não saíram do papel”, pontuou Lucimar.
Os relatórios ainda concluíram que o BRT terá mais vantagens à mobilidade da população cuiabana e várzea-grandense em razão da flexibilidade do modal, “pois consegue atingir regiões mais adensadas e mais distantes, bem como permite o seu prolongamento no futuro”.
“Além disso, permite também que um ônibus saia de um bairro, entre no corredor exclusivo e, sem qualquer integração, siga a outro bairro distante do corredor estrutural, garantindo conforto e agilidade para o usuário”.
Conforme os estudos, o traçado do VLT é inflexível, já que as zonas com maior atração de viagens estão há mais de 400 metros dos eixos, “especialmente as áreas centrais de Cuiabá e Várzea Grande”.
Outro ponto destacado pela comissão foi o valor da tarifa, que ficou orçada em R$ 5,28, montante muito superior ao do transporte coletivo praticado na Baixada Cuiabana, que é de R$ 4,10.
Já na hipótese de instalação do BRT, a tarifa ficaria na faixa de R$ 3,04, “impactando decisivamente no custo operacional do transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande”.
Assessoria/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos