SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sábado, 9 de janeiro de 2021

CORONAVÍRUS: Butantan e Fiocruz pedem registro emergencial de vacinas contra covid-19

Anvisa tem dez dias para responder aos pedidos. Governo federal já fechou a compra de 312 milhões de doses dos imunizantes, mas ainda não tem data para início da vacinação. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu nesta sexta-feira (08/01) os dois primeiros pedidos de registro emergencial no país de vacinas contra a covid-19. A autorização foi solicitada para a vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, vinculado ao governo paulista, e para o imunizante criado pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, que no Brasil são parceiros da Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz), uma entidade do governo federal.
A Anvisa fará em 24 horas uma triagem inicial dos documentos para avaliar se é necessário pedir informações adicionais, e tem até dez dias para fazer a análise dos dados e responder se autoriza o uso das vacinas.
Ambos os imunizantes requerem duas doses para atingir sua eficácia máxima de proteção contra a covid-19 e podem ser armazenados em temperatura de geladeira, o que facilita a logística de distribuição.
O governo já fechou a compra de 212 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca e de 100 milhões de doses da Coronavac, para serem entregues ao longo do ano. Somados os dois contratos, as doses são suficientes para vacinar 156 milhões de pessoas, ou 73% da população brasileira.
O Ministério da Saúde ainda não informou a data em que pretende iniciar a imunização da população. Na quinta-feira (07/01), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que, "no melhor cenário", a vacinação pelo Plano Nacional de Imunização começa em 20 de janeiro. O governo de São Paulo já tem um calendário de vacinação confirmado com o uso da Coronavac, que deverá começar a ser aplicada em 25 de janeiro no estado.
Eficácias
O primeiro pedido apresentado à Anvisa foi o da Coronavac e se refere ao uso de 6 milhões de doses que já foram importadas prontas da China.
Os resultados finais dos ensaios clínicos no Brasil haviam sido divulgados pelo governo de São Paulo na quinta-feira. O imunizante teve eficácia de 78% para evitar casos leves da covid-19 e evitou em 100% a ocorrência de casos moderados e graves. A taxa de eficácia geral da Coronavac, que considera todas as pessoas que pegaram covid-19, independente da gravidade da doença, não foi divulgada.
Depois, foi a vez de a Fiocruz protocolar o pedido de uso emergencial de 2 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca que serão importadas prontas da Índia.
A eficácia média desse imunizante em ensaios clínicos realizados com voluntários no Reino Unido e no Brasil foi de 70%. Entre os que haviam recebido duas doses completas, a eficácia foi de 62%. Em um grupo menor, que inicialmente recebeu meia dose e depois uma dose inteira, a eficácia foi de 90%. Nos dois grupos, o imunizante evitou a forma grave da doença em 100% dos casos.
Apesar de essas taxas de eficácia serem menores que a de vacinas concorrentes, como a da Pfizer/Biontech e a da Moderna, que apresentaram eficácia em torno de 95%, o resultado apresentado pelos imunizantes da Sinovac e de AstraZeneca/Oxford está acima do mínimo estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de 50%, e tem capacidade de controlar a pandemia se as vacinas forem aplicadas em campanhas extensas e capilarizadas pelo país.
Ritmo de entrega
Dois milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca devem ser importadas prontas da Índia ainda em janeiro, em data não especificada pelo governo. A Fiocruz, que no primeiro semestre produzirá esse imunizante em território nacional a partir do princípio ativo importado da China, planeja entregar ao governo federal seu primeiro lote, de 1 milhão de doses, na semana de 8 a 12 de fevereiro. A partir do final de fevereiro, a projeção é entregar 3,5 milhões de doses por semana.
Durante o segundo semestre de 2021, a Fiocruz terá o controle total da tecnologia e passará a produzir também o princípio ativo. A meta é entregar 210 milhões de doses no total neste ano.
Já o governo paulista tem um estoque de 10,8 milhões de doses da Coronavac, que foram importadas prontas da China, e deve receber mais 35 milhões de doses até a primeira quinzena de fevereiro. O Instituto Butantan também se prepara para poder fabricar a vacina no Brasil no futuro.
Pazuello afirmou que o Ministério da Saúde ainda negocia a aquisição de vacinas de outros fabricantes. O governo também espera obter mais 42,5 milhões de doses por meio do consórcio Covax Facilty, liderado pela Organização Mundial da Saúde.
Nesta sexta-feira, o laboratório Pfizer afirmou ter oferecido ao governo brasileiro a entrega de 70 milhões de doses da sua vacina, desenvolvida com a empresa alemã Biontech, a partir de dezembro de 2020, contrariando afirmação feita no dia anterior por Pazuello, de que a empresa teria oferecido apenas 9 milhões de doses ao país. Essa vacina foi a primeira a ter a aprovação da União Europeia e dos Estados Unidos e por enquanto está fora das aquisições feitas pelo governo federal.
BL/ots/cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos