SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

CRF-MT promove palestra sobre Vacina contra a Covid-19

O Conselho
Regional de Farmácia de Mato Grosso (CRF-MT) irá promover na próxima sexta-feira (08.01), uma palestra sobre ‘A importância da Vacina contra a Covid-19’. O palestrante convidado é o médico infectologista, Dr. Cor Jesus Fernandes Fontes que também é professor titular e pesquisador associado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e médico do Hospital Universitário Júlio Müller. O evento é gratuito e acontece às 19h, pelo aplicativo Google Meet. Os interessados podem fazer a inscrição por meio do link:  https://bit.ly/2KSRpkm e receberão certificados de participação.
O especialista atualmente é ainda o investigador principal de três projetos de pesquisa clínica relevantes no Brasil, que objetivam avaliar a vacina contra a dengue, a vacina contra a COVID-19 e a incidência de COVID-19 em populações de grandes centros brasileiros.
O médico Cor Jesus Fernandes explica que a vacina é uma medida eficaz para interromper a transmissão do novo coronavírus é tudo que todas as nações do mundo almejam para 2021. “É consenso que somente uma vacina eficaz contra o vírus SARS-COV2 poderá alcançar esse objetivo. No Brasil, um dos ensaios clínicos para testar a eficácia de uma dessas vacinas (a CoronaVac) é coordenado pelo Instituto Butantan, de São Paulo, e autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para 16 centros de pesquisa, espalhados por 7 estados brasileiros, participantes do ensaio multicêntrico. Cuiabá é um desses 16 centros”.
Segundo Cor Jesus, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, a vacina é uma das 10 que no mundo todo se encontram na fase 3, penúltima antes da aprovação, e até o momento tem apresentado resultados promissores.
Na capital mato-grossense, onde os testes começaram a ser realizados no dia 6 de outubro, a pesquisa é coordenada pelo professor Cor Jesus Fernandes Fontes, da Faculdade de Medicina da UFMT e pesquisador do Núcleo de Pesquisa Clínica do HUJM.
Cor Jesus destaca que a CoronaVac já foi aplicada em mais de 13 mil profissionais da saúde no Brasil, sem a apresentação de qualquer evento adverso grave. Um efeito adverso grave, por definição internacional, é toda manifestação relacionada ao produto que está sob investigação, pode ser medicamento ou vacina, que resulte em óbito, invalidez ou alguma anomalia. Isto significa que a vacina é muito segura e, se aprovada, seu uso em larga escala não resultará em complicações graves à pessoa vacinada
Em relação à eficácia, a expectativa dos pesquisadores envolvidos na pesquisa da CoronaVac é de que o imunizante ofereça a proteção necessária, principalmente por utilizar uma tecnologia bastante tradicional. Essa vacina utiliza uma versão inativa do vírus, obtido de cultura de célula. Isso significa que o vírus, inteiro, foi exposto ao calor e substâncias químicas, até não ser capaz de se reproduzir e representar riscos ao paciente.
A utilização do vírus inteiro tem a vantagem de induzir uma resposta imunológica mais alta, mais poderosa, porque o vírus vai completo no organismo da pessoa imunizada. É diferente de quando você dá uma partícula viral e você estimula uma resposta imune apenas contra essa partícula.
O médico conta que a fase 3 de pesquisa da CoronaVac ainda está em testes no Brasil, mas antes de chegar até aqui ela passou por 3 outras fases, a pré-clínica, fase 1 e fase 2, realizadas na China e também no Brasil, que atestaram a segurança e apontaram para a eficácia, permitindo a continuidade dos estudos do imunizante.
Em Cuiabá, é prevista a inclusão de mais de 500 participantes voluntários nos testes. Até o momento foram incluídos mais de 400 voluntários com mais de 18 anos, sendo majoritariamente entre 18 a 59 anos. Esses voluntários são profissionais de saúde que fazem atendimento de pessoas com Covid-19 ou suspeitas de Covid-19. A inclusão de voluntários com menos de 60 anos foi interrompida há duas semanas, após ter atingido o número necessário dessa faixa etária em todos os centros envolvidos.
Os pré-requisitos para ser voluntário em Cuiabá atualmente são: ser profissional de saúde com mais de 60 anos de idade, atuar como farmacêuticos, enfermeiros, bioquímicos, médicos, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos ou dentistas. É fundamental que apresentem o seu registro em conselho de classe. O voluntário pode ter ou não ter tido Covid-19 antes.
Para quem tem interesse em participar do ensaio como voluntário, o contato com o HUJM deve ser realizado a partir dos telefones (65) 3615-7319 e (65) 98466-5246, ou WhatsApp (65) 98466-5246.
Conheça o Dr. Cor Jesus Fernandes Fontes
Dr. Cor Jesus Fernandes Fontes é graduado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981), graduado em Estatística pela UFMT (2016), mestrado em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Minas Gerais (1990) e doutorado em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Atualmente é professor titular e pesquisador associado da Faculdade de Medicina da UFMT e médico do Hospital Universitário Júlio Müller. Da parceria interinstitucional Hospital Júlio Müller e Instituto Butantan de São Paulo, é ainda o investigador principal de três projetos de pesquisa clínica relevantes no Brasil, que objetivam avaliar a vacina contra a dengue, a vacina contra a COVID-19 e a incidência de COVID-19 em populações de grandes centros brasileiros. Participa como revisor ad hoc de trabalhos científicos de periódicos nacionais e internacionais. Tem especialização nas áreas de Clínica Médica, Infectologia, Medicina de Família e Comunidade e Educação na Área de Saúde. Seu trabalho acadêmico concentra-se nas áreas de epidemiologia e controle de Doenças Infecciosas e Parasitárias. Sua principal linha de pesquisa aborda aspectos do diagnóstico, tratamento e controle das doenças infecciosas endêmicas de Mato Grosso, principalmente a malária, as leishmanioses, as hepatites virais, a paracoccidioidomicose e, mais recentemente, a COVID-19. É bolsista de produtividade em pesquisa pelo CNPq desde 2005.
Soraya Medeiros/Caminho Político @CaminhoPolitico 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos