TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Defesa Civil intensifica o monitoramento das áreas de risco para enchentes e alagamentos

Na capital, de acordo com levantamento realizado pelo órgão, mais de 1.300 hectares são considerados área de risco. A Defesa Civil de Cuiabá intensificou o monitoramento de áreas consideradas de risco em razão do período de chuvas. Na terça-feira (12), o diretor José Pedro Ferraz Zanetti esteve na foz do córrego da Prainha, no bairro do Porto, onde está localizada a Estação Elevatória, gerenciada pela concessionária Águas Cuiabá, com o objetivo de verificar as condições da drenagem do Córrego da Prainha, que deságua no Rio Cuiabá.
Segundo a Defesa Civil, o último levantamento efetuado constatou que Cuiabá possui aproximadamente 1.300 ha de áreas consideradas de risco para alagamentos e inundações, a maioria delas localizadas nas proximidades de córregos e margens de rios. “Em algumas regiões a ocupação desordenada das margens desses córregos e rios acaba agravando a situação. Além disso, o sistema de drenagem da Capital é antigo, insuficiente para dar vazão às águas quando ocorrem chuvas de grande intensidade, como o que aconteceu no último domingo”, disse Zanetti. De acordo com o diretor da Defesa Civil, algumas regiões e bairros da Capital como o Parque Geórgia, a região dos bairros Jardim Vitória, São Mateus, Cohab São Gonçalo e a área central, são alguns dos locais constantemente monitorados.
Zanetti lembra que o trabalho de limpeza das ‘bocas de lobo’ é realizado rotineiramente pela Prefeitura de Cuiabá e que antes do início do período das chuvas, são intensificados, de forma preventiva, a fim de evitar a ocorrência de alagamentos. Mas, um grande volume de chuva acaba ocasionando dificuldades no escoamento da água provocando alagamentos.
O diretor da Defesa Civil disse ainda que o problema é a chuva forte em um curto espaço de tempo. No último domingo, a precipitação pluviométrica atingiu a marca de 65 mm em uma hora. Para resolver o problema de escoamento das águas pluviais, a Prefeitura de Cuiabá já anunciou que deve formalizar um convênio com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) com o objetivo de tentar solucionar as enchentes na Avenida Tenente Coronel Duarte, a Prainha, no centro da cidade. Um projeto emergencial para melhorar a drenagem nessa região e também a vazão da água para o Rio Cuiabá já foi apresentado pela UFMT.
Além disso, a Defesa Civil deve receber nos próximos dias imagens escaneadas do canal da Prainha feitas pela empresa Águas Cuiabá no ano passado, a fim de verificar a existência de possíveis entupimentos e obstruções.
A Defesa Civil alerta
Para evitar os prejuízos a Defesa Civil orienta a população em especial aqueles que vivem nas áreas consideradas de risco para que fiquem alertas. É importante acompanhar as previsões do tempo e observar o comportamento dos córregos e rios. Zanetti recomenda que em caso de subida do nível da água as pessoas devem levantar os móveis, desliguar os aparelhos elétricos da tomada e buscar locais mais seguros.
Nesses casos, é recomendável ligar para o 193, o número do Corpo de Bombeiros Militar, cujo atendimento é mais rápido e ágil e, que se for necessário, aciona a Defesa Civil.
Assessoria/aminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos