PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 20 de fevereiro de 2021

Bolsonaro indica general para a presidência da Petrobras

Após críticas à gestão da estatal e ameaçar intervir, presidente anuncia demissão de Roberto Castello Branco e indica Joaquim Silva e Luna para o comando da petrolífera.O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (19/02) a demissão do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e indicou para o cargo o general Joaquim Silva e Luna, ex-ministro da Defesa de Michel Temer e atual diretor-geral da Itaipu Binacional.
"O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente, senhor Roberto Castello branco", afirma um comunicado publicado no perfil de Bolsonaro no Facebook.
A demissão de Castello Branco vem em meio a críticas do presidente contra a política de preços da Petrobras, após sucessivos aumentos dos combustíveis anunciados pela estatal.
Em transmissão ao vivo nas redes sociais na quinta-feira, Bolsonaro já havia criticado a Petrobras e seu presidente, e antecipado que faria mudanças na empresa. "Não tem quem não ficou chateado com o reajuste", afirmou o presidente, sobre a mais recente alta nos preços dos combustíveis.
A Petrobras havia informado que, a partir desta sexta-feira, o preço da gasolina nas refinarias subiria 10,2% e o do diesel, 15%, no quarto reajuste anunciado só neste ano.
Bolsonaro também ficou irritado com uma declaração feita por Castello Branco em janeiro, quando disse que a ameaça de greve dos caminhoneiros, que buscava pressionar pela redução do preço do diesel, não era problema da estatal, que pratica preços de paridade internacional.
"Este é um problema que não é da Petrobras", afirmou Castello Branco na época. Na transmissão de quinta-feira, o presidente afirmou que a fala "obviamente" teria consequências.
"Você vai em cima da Petrobras e ela fala: 'Opa, não é obrigação minha'. Ou, como disse o presidente da Petrobras, há questão de poucos dias, né: 'Eu não tenho nada a ver com caminhoneiro. Eu aumento o preço aqui, não tenho nada a ver com caminhoneiro'. Foi o que ele falou, o presidente da Petrobras. Isso vai ter uma consequência, obviamente", disse Bolsonaro.
Já nesta sexta-feira, em visita a Pernambuco, o presidente reiterou suas ameaças de interferência na estatal petrolífera, embora tenha negado que busca interferir na empresa.
"Anuncio que teremos mudança, sim, na Petrobras. Jamais vamos interferir nesta grande empresa e na sua política de preços, mas o povo não pode ser surpreendido com certos reajustes", afirmou.
Perda no valor de mercado
Após as críticas de Bolsonaro aos reajustes e sua promessa de mudanças na estatal, a Petrobras perdeu R$ 28,2 bilhões em valor de mercado nesta sexta-feira. As declarações do presidente foram entendidas no mercado como uma ameaça à independência da empresa.
As ações preferenciais da Petrobras (PETR4), mais negociadas, fecharam em queda de 6,62%, enquanto as ações ordinárias (PETR3), com direito a voto, recuaram 7,91%. Assim, o valor da empresa despencou de R$ 383 bilhões na quinta-feira para R$ 354,8 bilhões nesta sexta.
Troca de comando
Roberto Castello Branco havia sido indicado por Bolsonaro para o cargo de presidente da Petrobras ainda em 2018, durante a transição de governo.
Joaquim Silva e Luna, por sua vez, um general da reserva do Exército, foi o primeiro militar a assumir o cargo de ministro da Defesa, no governo do ex-presidente Michel Temer. Em 2019, ele se tornou presidente da usina binacional de Itaipu.
Antes disso, o general atuou como chefe de gabinete do comandante do Exército, entre 2007 e 2011, e chefe do Estado-Maior do Exército, entre 2011 e 2014, entre outros postos.
Silva e Luna é pós-graduado em Política, Estratégia e Alta Administração do Exército pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, e em Projetos e Análise de Sistemas pela Universidade de Brasília.
ek (Reuters, ots)cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos