PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

CORONAVÍRUS: Anvisa aprova registro definitivo da vacina da Pfizer contra covid-19

Imunizante é o primeiro a receber aprovação definitiva no país. Vacina, porém, ainda não está disponível no Brasil devido à falta de um acordo de compra entre governo federal e farmacêutica. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) comunicou nesta terça-feira (23/02) que concedeu o registro definitivo da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica americana Pfizer em parceria com a empresa alemã Biontech.
Assim, o imunizante da parceria teuto-americana é o primeiro a obter registro definitivo na agência brasileira. Até então, o órgão havia concedido apenas aprovações de uso emergencial, uma para a chinesa Coronavac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, e outra para a vacina de Oxford e do laboratório AstraZeneca, que é fabricada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
A Anvisa, que vem sendo pressionada por agilidade, congratulou-se pela rapidez na aprovação "do primeiro registro de vacina contra a covid-19, para uso amplo, nas Américas". O órgão regulador afirmou que a vacina da Pfizer teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas ao longo de 17 dias. O prazo normal é 60 dias. O pedido de registro definitivo havia sido feito no início do mês.
Mesmo aprovada, a vacina da Pfizer não está em uso no Brasil, pois o governo federal não chegou a uma acordo de compra com a empresa farmacêutica. O imunizante tem sido usado de larga escala em Israel e na União Europeia.
Briga com o Planalto
O imunizante está no centro de uma briga pública entre a Pfizer e o Planalto. O laboratório comunicou que, no segundo semestre de 2020, fez várias propostas para o Ministério da Saúde, que previam a entrega de 70 milhões de doses, com início do envio de uma primeira carga em dezembro, mas a pasta não manifestou interesse. À época, o governo preferiu apostar todas as suas fichas na vacina da AstraZeneca, a ser produzida em solo brasileiro, ignorando opções de importação de doses prontas de outros laboratórios.
Em dezembro, as negociações voltaram a andar, e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, chegou a afirmar que a imunização poderia começar ainda naquele mês caso a Pfizer adiantasse alguma entrega. À época, o ministério passara finalmente a correr atrás de vacinas diante da intenção do governador de São Paulo, João Doria, de iniciar a vacinação no estado em janeiro. Mas nessa altura a Pfizer havia informado que não poderia mais entregar doses antes da virada do ano. Ainda assim, o governo chegou a incluir uma oferta da empresa no seu vago plano de imunização.
No entanto, as negociações logo voltaram à estaca zero, diante da contrariedade de condições impostas pela empresa. O governo afirmou que a Pfizer insistia em uma cláusula de isenção de responsabilidade em relação a possíveis efeitos colaterais da vacina contra a covid-19. No final de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro chegou a reclamar publicamente da farmacêutica ao afirmar que não havia garantia de que a vacina não transformaria quem a tomasse em "um jacaré". Sem um contrato com o governo, a Pfizer anunciou em dezembro que não pretendia mais solicitar uma autorização de uso emergencial junto à Anvisa.
Em janeiro, a disputa voltou a esquentar quando o governo divulgou uma nota incendiária afirmando que a Pfizer estabelecera "cláusulas leoninas" em seus contratos, que a empresa só previa uma pequena entrega inicial de vacinas como "conquista de marketing" e que a chegada de poucas doses "causaria frustração em todos os brasileiros", sugerindo que era melhor não receber nada do que pouco. Por fim, o governo ainda insinuou que a Pfizer estava tentando sabotar a campanha de imunização no Brasil por ter supostamente ficado frustrada com o governo adquirindo doses da AstraZeneca e da Coronavac, promovida pelo governo de São Paulo.
Já a Pfizer afirmou que os contratos oferecidos ao governo brasileiro eram idênticos aos que foram submetidos em dezenas de países que já fazem uso do imunizante.
as/jps (ots)cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos