SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

CORONAVÍRUS: Taxa de infecção em adolescentes e jovens foi a que mais cresceu desde julho de 2020

Também chamou a atenção dos pesquisadores o incremento da taxa de incidência em crianças, adolescentes e jovens de 20 a 29 anos, que se revelou muito maior do que para outras faixas.
A taxa de infecção em adolescentes e jovens de 20 a 29 anos foram as que mais cresceram desde 18 de julho de 2020 – 1.169% e 844% respectivamente, evidenciando aumento superior do risco de infecção nesses grupos etários quando comparado com os demais. É o que aponta o Informe Epidemiológico nº 04 de Cuiabá, elaborado pela Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica e por pesquisadores do Instituto de Saúde Coletiva, do Departamento de Geografia e do Departamento de Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).
Tambem chamou a atenção dos pesquisadores o incremento da taxa de incidência em crianças, adolescentes e jovens de 20 a 29 anos, que se revelou muito maior do que para outras faixas. Desde 18 de julho de 2020, por exemplo, a taxa de idosos aumentou cerca de 347% enquanto a de crianças aumentou aproximadamente 782%, de adolescentes subiu 1.169% e de jovens de 20 a 29 anos de idade cresceu 844% evidenciando o aumento superior do risco de infecção nesses grupos. A taxa de incidência trata-se de uma projeção matemática do risco da população adoecer, com base nos dados preexistentes sobre a doença.
Conforme o estudo, a taxa de incidência por faixa etária revela que a taxa mais elevada é a de adultos de 30 a 39 anos (10.753,5 infectados a cada 100 mil habitantes), seguida por 40 a 49 anos (10.555,9), 50 a 59 anos (9.731,5) e 20 a 29 anos (9.244,9), apontando para o risco maior de infecção por Covid-19 nos indivíduos em idade produtiva, principalmente em adultos de 30 a 39 anos.
Por outro lado, as taxas de incidência por sexo e faixa etária revelam riscos diferentes, sendo mais elevado para o sexo feminino de 0 a 59 anos de idade e para o sexo masculino, a partir de 60 anos.
Entre os casos confirmados de Covid-19 residentes em Cuiabá (46.753) prevalece o sexo feminino (55,0%), tendo, desde o início da pandemia, apresentado a maior frequência. Dentro desse grupo, 247 eram gestantes, o que corresponde a 1,0%. A idade média é 41,1 anos sendo 25,4% dos casos da doença registrados entre adultos de 30 e 39 anos, tendo o grupo de 20 a 49 anos concentrado 64,8% dos casos; idosos representaram 14,3% (6.698) dos casos; crianças e adolescentes (0 a 19 anos) 6,5% (3.034) do total de casos.
Para a gerente de Vigilância Epidemiológica, Flávia Guimarães, o aumento do número de casos entre crianças e jovens pode ser explicado pelo comportamento da população, que no início da pandemia preservou mais as crianças e conseguiu manter o isolamento social, o que foi se perdendo ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que jovens também se expuseram mais às aglomerações. Em relação à prevalência de casos entre as mulheres, Flávia afirma que “não existe um fator biológico para isso, o que ocorre é que as mulheres têm mais o hábito de procurarem o médico do que os homens, o que incide nos dados estatísticos”, afirma.
Assessoria/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos