SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

PEC de Wellington propõe reinvestimento em infraestrutura para o Brasil sair da crise

Com apoio de presidente do Senado e da Câmara, proposta adiciona ao menos mais R$ 7 bilhões aos investimentos em rodovias, ferrovias e hidrovias.
Infraestrutura é um item-chave para a competitividade de um país. Não é por acaso que o Brasil, deficiente em áreas como transporte, energia e telefonia, aparece apenas na 75ª posição no ranking de competitividade global, segundo dados do Fórum Econômico Mundial. É para mudar essa realidade que o senador Wellington Fagundes (PL-MT) apresentou uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para determinar que pelo menos 70% dos recursos obtidos com as concessões públicas sejam reinvestidos no próprio setor.
A PEC 001/2021, inclusive, deverá ter tramitação prioritária no Congresso Nacional. Na semana passada, Fagundes se reuniu com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para discutir a proposta. Do encontro também participaram o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) e o presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Wander Costa.
“Estamos confiantes de que será possível mudar essa realidade da nossa infraestrutura e dar o impulso que o Brasil vai precisar como medidas de afirmação no pós-pandemia” – frisou Fagundes.
Atualmente, os recursos aferidos pela União nas concessões públicas, em sua grande maioria, acabam sendo usados pelo Governo para corrigir o déficit público. A PEC permite que apenas 30% seja utilizados para esse fim. O restante, retorna para reinvestimento no setor, garantindo, com assim, os recursos mínimos para avanço da infraestrutura.
Fagundes lembrou em sua PEC que a União investiu em média irrisório 0,25% do PIB em infraestrutura de transportes entre 2008 e 2019, montante insuficiente sequer para se manter a malha rodoviária existente. Com a Emenda nº 95, de 2016, que impôs o teto de gastos, observou o senador do PL, a forma como a União tem ajustado seu orçamento é por meio de ‘compressão de gastos discricionários’.
“Assim – ele enfatizou – o investimento total da União, que vai além da infraestrutura de transportes e inclui, por exemplo, construção de imóveis, vem se situando em menos de 0,5% do PIB e pode cair ainda mais”. Em valores, os investimentos da União foram de apenas R$ 35 bilhões em 2019.
A infraestrutura deficiente, segundo o senador, é um dos principais componentes do chamado “custo Brasil”, que amarra o desenvolvimento do país. Estudo sobre a qualidade das rodovias elaborado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), de 2016, mostrou que estradas ruins aumentam o custo do frete em cerca de 25%. “Se a estrada for péssima, o custo sobe em mais de 90%. E quem paga por isso é o consumidor” – frisou.
Naquele ano, prossegue o estudo, o Brasil teria gastado quase 775 milhões de litros de óleo diesel a menos (ou R$ 2,3 bilhões), se todas as rodovias estivessem em condições ótimas ou boas. Números igualmente preocupantes, de acordo com o senador mato-grossense, podem ser encontrados se analisarmos as condições de nossas ferrovias, portos e da mobilidade urbana em geral.
OBRAS PARALISADAS
Presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura do Congresso Nacional, Wellington ressaltou que o valor arrecadado com outorgas de concessão varia ano a ano, em função do calendário e do modelo de licitação adotado. Em 2019, a título de exemplo, esse valor chegou perto dos R$ 10 bilhões. “Esta PEC está propondo algo modesto, um direcionamento de cerca do que R$ 7 bilhões ao ano, apenas para garantir que os investimentos não caiam abaixo de um patamar mínimo” – frisou.
Um dos primeiros efeitos, segundo o senador, será atacar o estoque de obras de infraestrutura inacabadas. Ele ressaltou que existem muitos empreendimentos que o Governo se viu obrigado a paralisar por causa dos limites de gastos discricionários. “Esta PEC é totalmente compatível com a prudência fiscal” – salientou. A PEC 001/2021 não cria gastos adicionais sem explicitar a fonte e não avança sobre o teto dos gastos.
APOIO INSTITUCIONAL
Além do apoio parlamentar, a PEC 001/2021 recebeu o apoio da própria Confederação Nacional dos Transportes, responsável pelos estudos que deram base a medida. “A PEC aponta um caminho viável para a superação desse déficit crônico, que tanto prejudica o desenvolvimento e a força produtiva do país” – frisou Vander Costa.
Vander observou que o principal motivo para essa má qualidade da infraestrutura é, sem dúvida, a falta de manutenção e de investimento e por mais que as concessões avancem “é evidente que existe um limite do que pode ser repassado para a responsabilidade do privado em concessões comuns, não patrocinadas”. Ele observou que se faz necessário ao menos uma contraprestação pública em parcerias público-privadas, ou mesmo o investimento público direto, sendo que o patamar de 0,25% é muito aquém.
Assessoria/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos