TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Povo indígena de MT desenvolve turismo sustentável em seu território

Atividade será desenvolvida com apoio da Secretaria de Estado de Cultura de MT.
Já pensou em poder vivenciar a cultura de um povo indígena de Mato Grosso por alguns dias ou semanas? Essa é a proposta do povo Umutina-Balatiponé de Barra do Bugres (município a 170 km de Cuiabá). Segundo Isaac Amajunepá, coordenador-proponente do Projeto Vivência Umutina-Balatiponé, que foi aprovado pela Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso (SECEL) por meio da Lei Aldir Blanc, no edital MT Nascentes, a comunidade terá a oportunidade de elaborar pacotes e os roteiros para que as pessoas conheçam o jeito de viver e ser do povo Umutina.
“Nosso povo tem uma cultura rica e nosso território tem muitas belezas naturais, que podem ser exploradas com o turismo sustentável. Com o apoio do projeto iremos elaborar pacotes e definir os valores que iremos cobrar para que visitantes conheçam a nossa comunidade, mas o mais importante é que também estaremos gerando emprego e renda para nosso povo”, afirmou.
A Aldeia Umutina fica a 170km de Cuiabá, sendo a comunidade indígena mais próxima da capital, o que facilita o acesso dos visitantes. Todos os anos a Aldeia recebe dezenas de alunos e professores do estado que vão até o território para conhecer um pouco mais da cultura do povo Umutina.
Contudo, o objetivo da comunidade é ampliar essa atividade. Nesse sentido, o projeto será muito importante, pois o grupo receberá consultoria que vai desde orientações sobre o espaço que irá receber os visitantes ao preço que irão cobrar pelas atividades.
“Como explorar as belezas naturais? Que preço cobrar? Quais pacotes oferecer? Como utilizar o espaço da melhor forma? Todas essas questões serão discutidas e respondidas durante a oficina que será realizada em março com profissionais da área, no território”, disse Isaac Amajunepá.
Além de tudo isso, segundo o coordenador, o projeto também garante que um grupo possa participar da vivência e dar sua opinião sobre os dias que irá passar no território e conhecer a cultura do povo Umutina/Balatiponé.
Isaac Amajunepá/Caminho Político
Foto: Helena Corezomaé
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos