TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

segunda-feira, 8 de março de 2021

Avante, mulheres, a luta continua!

A importância da luta das mulheres nas últimas décadas é inegável e, cada dia mais, são somadas conquistas contra todas as formas de dominação e discriminação de gênero.
Não nos deixemos impressionar, pois a luta é árdua e está longe do fim! Um estudo apresentado no Fórum Econômico Mundial, em 2019, retrata que ainda levará praticamente um século para que conquistemos a efetiva paridade de gênero no mundo, e, no mercado de trabalho, se mantido o ritmo atual, a perspectiva é que a igualdade entre os sexos somente seja alcançada daqui a 202 anos.Apesar de representarmos 52% da população brasileira, nossa representação nos cargos políticos equivale a 15%.
Pouquíssimas mulheres ocupam posições de liderança, apenas 4,5% dos diretores de board de empresas brasileiras são mulheres – a média em países emergentes é de 7,2% -, fora o fato de as mulheres dedicarem 20,3 horas semanais na jornada doméstica, enquanto os homens gastam apenas 10 horas – fator preponderante na trajetória da mulher como profissional.
Então, mulheres, agora, mais do que nunca, precisamos estar juntas, e precisamos de mais mulheres e homens ao nosso lado, conscientes de que só a resistência organizada, na qual nos apoiamos e reivindicamos direitos iguais, nos levará a uma sociedade justa e solidária.
O ordenamento jurídico, as leis, as normas, não são suficientes para promover a almejada igualdade. É preciso que avancemos em conquistas, nos tornando capazes de romper com a aparente competição entre os sexos.
Temos que nos conclamar FEMINISTAS, pessoas que buscam, ativamente, desfazer a hierarquização entre os sexos e o regime patriarcal, reivindicando, por sua vez, em todos os campos, social, político e econômico, a igualdade de direito entre homens e mulheres.
Devemos, assim, enxergar o Dia Internacional da Mulher como um momento que transcenda o presente, nos inspirando a vislumbrar na mulher do cotidiano, nossas avós, mães, irmãs, tias, amigas, professoras, colegas de trabalho, a força propulsora que nos impele a jamais consentir com qualquer forma de dominação e sujeição.
É importante romper com as formas sutis pelas quais se observa o machismo estrutural e o preconceito velado contra a mulher nos ambientes de trabalho.
As raízes desse machismo dissimulado estão por todos os lados, profundamente impregnadas em nossa cultura, internalizadas em nossa psique.
É ele que nos faz, por exemplo, acreditar na existência de atividades mais apropriadas às mulheres, geralmente relacionadas ao Bem Estar e cuidados com as pessoas, e outras essencialmente masculinas, como às da matemática, tecnologia, ciências, política, e que acabam por definir a nossa trajetória.
É importante desfazer esse conceito de masculino e feminino iniciado na infância, que nos reserva um papel determinado, colocando a mulher em condição de fragilidade e o homem como potencialmente elevado, impedindo que meninos e meninas desenvolvam suas habilidades livremente.
Temos que abandonar a visão tradicional da liderança calcada meramente no gênero, atribuindo ao homem o perfil de líder natural. A questão depende, fundamentalmente, da pessoa, que deve reunir características como caráter, determinação, autoconfiança, comunicação, essencialmente comuns aos dois gêneros.
Não normalizemos o fato de as mulheres, apesar de ocuparem 60% das cadeiras das universidades e serem mais qualificadas, não terem o mesmo desempenho nos cargos de liderança.
Passemos a nos estarrecer com o fato de que, quanto mais perto do topo, menos mulheres encontramos.
Abandonemos o discurso de que são as diferenças físicas que criam um abismo entre nós. Essa multiplicidade só deve ser utilizada para nos complementar, nos enriquecer, jamais para nos diminuir e nos enfraquecer.
Há estudos que apontam que as mulheres, devido aos inúmeros papéis que ocupam (trabalhadoras, mães, donas de casa), conseguem vislumbrar o todo e são mais efetivas para motivar, engajar e desenvolver seus colaboradores.
Talvez isso explique o fato de que, segundo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da ONU, realizado em 70 países, ter mulheres em cargos de liderança contribui para maior desempenho e lucratividade nas empresas em geral, o que possibilita um aumento nos lucros entre 5% a 20%.
Longe de querer provar que são melhores que os homens, às mulheres devem ser asseguradas as mesmas oportunidades a fim de que seja possível que suas características essenciais sejam elevadas como ferramenta de crescimento das organizações.
Cabe, assim, aos gestores, promover uma diversidade organizacional que trabalhe a igualdade entre homens e mulheres, garantindo a todos, independentemente do gênero, as mesmas oportunidades de desenvolvimento e crescimento, estabelecendo uma política implacável contra abusos e assédio sexual.
Sejamos conscientes sobre a importância de valorizar e empoderar as mulheres. Esse é o único caminho para alcançarmos a equidade entre as pessoas e uma sociedade voltada à plena realização de seus integrantes.
Lílian Paula Alves procuradora do município de Cuiabá e diretora-secretaria da União dos Procuradores do Município de Cuiabá (Uniproc). Contato: uniproc.cuiaba@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos