TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

quinta-feira, 25 de março de 2021

NOTA DE REPÚDIO | Sede das mulheres Munduruku é depredada

A sede da Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn, situada na cidade de Jacareacanga, foi vandalizada nesta quinta-feira (25).Hoje (25) os conflitos provocados pelo garimpo no sudoeste do Pará ganharam um novo episódio: a sede da Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn, situada na cidade de Jacareacanga, foi vandalizada a mando de garimpeiros criminosos que atuam na região.
Os vândalos entraram no escritório da associação e queimaram documentos, quebraram vidros, rasgaram quadros e cartazes, picharam a fachada do local e danificaram mesas, cadeiras e ventiladores, além de mostruários com peças de artesanato. As fotos mostram que o escritório ficou inutilizável. Não há relatos de feridos ou mortos.
A violência ocorreu logo após um protesto chamado por garimpeiros, que fizeram ainda ameaças de morte às mulheres que se opõem a essa atividade econômica.
A sede tinha ocupação recente – foi alugada em dezembro de 2020 – e era utilizada para o atendimento de caciques, cacicas, lideranças, guerreiras e guerreiros. Outras organizações que também utilizavam aquele espaço eram a Associação Da’uk, a Associação Arikico, o Movimento Munduruku Ipereg Ayu e o CIMAT.
Em comunicado, a Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn relata que essa tragédia foi anunciada diversas vezes pelos defensores do garimpo. Denúncias foram feitas para resguardar a integridade física das mulheres Munduruku, mas o poder público local não tomou nenhuma providência nesse sentido.
“Estamos gritando há dias, pedindo para que as forças policiais ajam sobre esse grupo de criminosos que querem devastar nosso território e que ameaçam a nossa própria vida e integridade”, diz o comunicado.
A COIAB se solidariza com a Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn, assim como com as demais organizações, e exige medidas efetivas e rápida apuração do governo em razão dos prejuízos financeiros e danos psicológicos causados aos nossos parentes Munduruku nesta quinta-feira.
Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB)
Manaus, Amazonas, 25 de março de 2021.
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos