TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 5 de março de 2021

Primeira-dama destaca ações do espaço de acolhimento às mulheres instalado no HMC

A Prefeitura de Cuiabá oferece um serviço voltado de forma exclusiva às mulheres vítimas de violência doméstica e que funciona 24 horas. O Espaço de Acolhimento criado nas dependências do Hospital Municipal de Cuiabá Leony Palma de Carvalho, o HMC e funciona no sistema porta aberta, onde a mulher pode buscar ajuda a qualquer hora. Cuiabá é a pioneira pela iniciativa em abrigar um centro de atendimento especializado dentro de um hospital público, sendo o mesmo um pedido pessoal da ativista Maria da Penha, durante visita a capital. Desde sua implantação – em julho de 2020 – já atendeu a cerca de 200 mulheres.
O local que está sob a responsabilidade da Secretaria Municipal da Mulher tem o apoio incondicional da primeira-dama Márcia Pinheiro, que defende e formata ações na luta contra a violência doméstica e, consequente, redução dos casos de feminicídios na capital.
“A gestão Emanuel Pinheiro tem como pauta a humanização, o que significa a oferta de atendimentos de qualidade à população, em especial aos que encontram-se em situação de vulnerabilidade social. A criação desse espaço é a concretização de mais um sonho e que hoje já se tornou referência nacional sendo reconhecido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Estamos cada vez mais satisfeitos com o sucesso que vem sendo alcançado por esse espaço. Mais e mais mulheres atendidas tendo a esperança de uma nova vida recebendo todo suporte nesse momento de tanto sofrimento”, disse a primeira-dama Márcia Pinheiro.
Na unidade de acolhimento, a vítima recebe suporte de uma equipe multidisciplinar formada por psicólogos, assistentes sociais e apoio jurídico, num espaço especialmente preparado com sala de acolhimento infantil, sala de aconchego, sala para atendimento médico, além de recepção e banheiros.
Ao chegar no espaço, a vítima passa pelo acolhimento psicossocial, onde é recebida pela assistente social e psicóloga para um primeiro bate papo para conhecimento do caso. Feito isso, mediante interesse pelo serviço dispensado pela Prefeitura, serão realizados encontros semanais, sendo uma vez por semana, para o tratamento com o especialista para amenizar os traumas e avançar no seu resgate emocional. “Essa é uma receita que está dando certo. Muitas das assistidas que já estão passando pelo tratamento estão muito satisfeitas e bem mais felizes. A maioria conta que não sabe como viver sem esse apoio ofertado pelo espaço”, disse a coordenadora do Espaço de Acolhimento, Thayssa Ferraz.
Além da procura espontânea, as mulheres atendidas por meio da urgência e emergência também são informadas sobre o serviço especializado.
“De julho até agora uma média de 200 mulheres foram acolhidas e esse número deve aumentar, pois estão sendo realizadas capacitações nas unidades básicas de saúde de forma a estreitar as informações e atender essas pessoas que passam pela rede”, complementou a coordenadora.
A secretária municipal da mulher, Luciana Zamproni lembra que, a mulher cuiabana recebe num único lugar apoio jurídico, psicológico e de assistência social. “E estamos trabalhando para ampliar ainda mais esse atendimento. Além do apoio psicológico vamos buscar meios juntamente com a Secretaria de Trabalho para facilitar o acesso dessa mulher ao mercado trabalho. Não podemos parar. Muitas mulheres precisam desse apoio e é o que temos. Um espaço com ferramentas capazes de coibir como também prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher”, pontuou a secretária.
“Percebemos que a violência doméstica, não distingue classe social, etnia, religião, orientação sexual, idade ou grau de escolaridade. Por mais que por muitos anos tenha sido considerado como tabu, é urgente que falemos sobre ela”, concluiu Zamproni.
O Espaço de Acolhimento fica na Rua Orivaldo de Souza, 40 - Ribeirão do Lipa, Cuiabá – MT. O telefone para informações e agendamentos é o 65- 3318-4818.
Assessoria/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos