Instec Instituto de Tecnologia Educação e Comunicação

Instec Instituto de Tecnologia Educação e Comunicação
Av. Rui Barbosa, S/N- Jardim Universitrio, Cuiabá - Mato Grosso. As informações de contato se encontram no (65) 99293-3962

Vereador Didimo Rodrigues Vovó

Vereador Didimo Rodrigues Vovó
Trabalhar por uma Cuiabá melhor

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

Senado Federal

Senado Federal
Para saber mais sobre essa unificação, clique aqui.

domingo, 11 de abril de 2021

Projeto sobre regularização fundiária divide opiniões em debate na Câmara

Favoráveis ao texto dizem que medida aumentará segurança jurídica dos ocupantes das terras; contrários temem mais invasões e desmatamento.
Proposta sobre regularização fundiária provocou divergências entre participantes de audiência pública realizada nesta sexta-feira (9) da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados. No evento, foi discutido o projeto de lei (PL 2633/20) que estabelece critérios para a regularização fundiária de imóveis do governo federal, incluindo assentamentos. As regras são restritas a áreas ocupadas até julho de 2008 com até seis módulos fiscais – unidade fixada para cada município pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que varia de 5 a 110 hectares.
A proposta, do deputado Zé Silva (Solidariedade-MG), teve origem em parecer apresentado por ele no ano passado a uma medida provisória (MP 910/19) que acabou perdendo a validade por falta de acordo, especialmente entre as bancadas ruralista e ambientalista.
Discordâncias
Os principais focos de discordância na audiência de hoje foram a previsão de que o Incra possa dispensar a realização de vistoria de imóveis com área de até seis módulos fiscais, frente aos atuais quatro módulos; e a possibilidade de uso de sensoriamento remoto para a vistoria das áreas. Segundo Zé Silva, “ninguém quer incentivar a grilagem”, mas as mudanças devem gerar mais segurança jurídica, inclusive no cenário internacional. Para o presidente do Incra, Geraldo José da Câmara Ferreira de Melo Filho, o tema vem sendo tratado de forma maldosa por quem é contrário às alterações, desde a época da análise da MP.
“A Medida Provisória 910 foi maliciosamente aplicada pela mídia e algumas ONG como ‘MP da Grilagem’, como se fosse uma norma fadada a trabalhar contra questões ambientais”, disse. A exigência do CAR [Cadastro Ambiental Rural], a proibição da regularização em áreas com infração ou embargo ambiental, o estabelecimento em lei do uso do sensoriamento remoto para o processo de regularização foram instituídos pela medida provisória”, acrescentou.
Já para a pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) Brenda Brito, a regularização é importante para reduzir conflitos e garantir segurança jurídica e renda aos ocupantes das terras, mas o projeto em análise pode estimular mais invasões associadas ao desmatamento. Um dos pontos criticados por ela é o sensoriamento remoto.
“A maior parte dos imóveis (90% do total, segundo o Incra) que aguarda titulação não precisa de vistoria porque tem até quatro módulos fiscais. Então, se fosse verdade que a vistoria é o grande empecilho, por que, depois de 12 anos da aprovação da Lei 11.952/09, ainda há tantas terras nessa faixa de tamanho à espera de regularização?”, indagou. “Também deve-se reforçar que é impossível ter certeza se há conflito em um imóvel apenas olhando imagem de satélite. ”
De acordo com dados levados ao debate pelo secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Fernando Henrique Schwanke, atualmente são dois milhões e 800 mil famílias ativas no sistema da declaração de aptidão ao Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Dessas, 31,6% são de proprietários de terras; e 20,6%, posseiros.
Sugestões
O deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) defendeu a inclusão, no texto do projeto, de dispositivo capaz de garantir que não haja benefícios a quem loteia grandes terras.
“É preciso encontrar um caminho para separar quem que está ocupando grandes áreas públicas: essas pessoas vão para essas terras, desmatam, loteiam e vendem esses lotes; depois dizem: ‘agora procurem o Incra ou os estados’”, comentou. “A gente tem de encontrar um jeito de frear a grilagem; não sou contra o sensoriamento remoto, mas ele não pode ser usado como justificativa de dispensa de o técnico ir ao local em situações de possível conflito.”
Presidente da Comissão de Agricultura, a deputada Aline Sleutjes (PSL-PR) afirmou que o limite de seis módulos fiscais ainda é pouco.
“Precisamos manter a premissa de que 15 módulos fiscais são o ideal”, defendeu. “Área, no Brasil, de até 15 módulos fiscais é considerada média, e a regularização fundiária está sendo justamente nesse prisma do pequeno e do médio.”
Benefícios
Segundo o relator da matéria, deputado Bosco Saraiva (Solidariedade-AM), a proposta vai melhorar a vida de muitas famílias.
“Que o projeto valorize a tecnologia e possa ajudar o Incra a cumprir seu papel; o sensoriamento pode beneficiar imediatamente os pequenos produtores”, declarou.  “Quando vamos até seis módulos fiscais, estamos falando de mais de 100 mil famílias atendidas, de maneira efetiva e moderna.”
O deputado Marcon (PT-RS), que solicitou a realização da audiência, defendeu outras medidas estruturais em benefício dos agricultores.
“O governo tem de viabilizar políticas para ter água, estrada, legalizar as pequenas propriedades e punir os grileiros de terra”, disse. “Temos de aprovar o projeto 823, para dar condições de produção aos agricultores.”
O projeto citado por Marcon (PL 823/21) cria medidas emergenciais de amparo a agricultores familiares do Brasil para mitigar os impactos socioeconômicos da pandemia de Covid-19. Esse texto está em regime de urgência e poderá ser votado pelo Plenário a qualquer momento.
Quanto ao PL 2633/20, que trata da regularização fundiária, aguarda a criação de uma comissão especial.
Reportagem – Paula Bittar
Edição – Marcelo Oliveira
Foto: Isac Nóbrega/Agência Brasil
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos