PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 25 de maio de 2021

NEGATIVA JUDICIAL: NOVO CAPÍTULO DA NOVELA – Juiz cita decisão “política” do Estado e nega bloqueio de R$ 683 mi do Consórcio VLT

O juiz da 1ª Vara Federal Cível e Agrária de Mato Grosso, Ciro José de Andrade Arapiraca, negou o pedido do governo de Mato Grosso, que solicitava o bloqueio de R$ 683,2 milhões do Consórcio VLT como forma de ressarcimento ao Estado.Na decisão proferida na última sexta-feira (21), o magistrado afirma que o Estado não pode responsabilizar o Consórcio VLT por sua decisão de não concluir as obras do modal e substituí-las pelo Bus Rapid Transit (BRT).
“Tal decisão política não tem o condão de desconstituir as obrigações já adimplidas pelos requeridos, como é o caso da aquisição prévia do material rodante, equipamentos necessários à conclusão e implantação do modal objeto do contrato rescindido, menos ainda de obrigá-los a suportar o ônus do ato administrativo por meio do qual se optou pela modificação do projeto inicial de implantação do VLT para BRT”, diz trecho da decisão.
Arapiraca lembra a rescisão unilateral do contrato do VLT, faz com que os vagões, trilhos e obras que as empresas do Consórcio realizaram e que foram concluídas, sejam incorporadas ao patrimônio do Estado.
“Ou seja, a rescisão promovida pelo Estado pressupõe que as obrigações parcialmente cumpridas passam a integrar o patrimônio da contratante, a quem compete a adoção de atos tendentes a permitir a continuidade do empreendimento por execução direta ou indireta”, explica.
Na prática a decisão da Justiça Federal diz que as empresas CR Almeida S/A Engenharia, CAF Brasil Indústria e Comércio, Santa Bárbara Construções, Magna Engenharia LTDA, Astep Engenharia LTDA, não podem ser responsabilizadas com a garantia de valores caução para “permitir o transporte dos bens para a Espanha, para sua posterior comercialização e amortização dos valores adimplidos pelo contratante, visando ressarcir o requerente dos prejuízos suportados, em virtude da sua incorporação ao patrimônio do Estado de Mato Grosso”.Ainda de acordo com a decisão, o magistrado lembra que o contrato do VLT, assinado em 2021, não disciplina sobre a entrega de bens separados, como ocorreu com os vagões e trilhos.
Arapiraca também afirmou que a rescisão contratual, baseada na delação premiada do ex-governador Silval Barbosa, que desencadeou a Operação ‘Descarrilho’ da Polícia Federal, não confirma que tais atos de improbidade, “permitem a conclusão inconteste de que tais fatos possam retroagir ao procedimento licitatório e/ou a formalização da contratação em apreço, bem como não se prestam para desconstituir as obras já implementadas pelo Consórcio VLT e/ou para eivar de nulidade o prévio pagamento do material rodante”, declarou o juiz.
Eu comento - ÉDER DE MORAIS: ANARCOCAPITALISMO NO VLT
Concluir o VLT nunca foi uma questão econômico-financeira, nem tão pouco de orçamento. Perpassa por interesses de vários segmentos que não querem romper o “status quo” do transporte coletivo no Vale do Rio Cuiabá (ou região metropolitana). Ao que parece, a questão é política, aliás cem por cento política e de “ciúmes de homem”… não querem admitir que um grupo político no passado teve a visão modernista e de futuro! Se houve quaisquer erros, que se punam os responsáveis! O problema não é o modal “VLT”, nunca foi! O problema reside em judicializações em excesso e erros individuais. Portanto, que se individualizem as condutas e apurem-se à exaustão, sem contudo interromper algo que já consumiu R$ 1,2 bilhão de reais e que não prevaleça o interesse privado sobre o público, com propostas esdrúxulas, que saltam aos olhos e deixam evidentes os interesses de grupelhos!
Governador MM, termine o VLT e consagre-se na vida pública como um gestor exemplar, desenvolvimentista e visionário.
GOVERNADOR SEJA ESTADISTA! ABANDONE O ANARCOCAPITALISMO!!!
Éder Moraes – ex secretário de Fazenda MT; ex-secretário da Casa Civil MT; ex-secretário da Copa do Mundo FIFA/2014.
FOLHAMAX/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos