Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

sábado, 22 de maio de 2021

Relação entre função intestinal e infecção por COVID

Covid-19 é a pandemia que o mundo enfrenta hoje, causada pelo SARS-CoV-2, que causa infecciosas respiratórias. Sabe-se também que a infecção por vírus desenvolve perturbações na microbiota intestinal. A alimentação, os fatores ambientais e a genética desempenham um papel importante na formação da microbiota intestinal, que pode influenciar a imunidade (DEBOJYOTI DHAR et al.,2020).
A microbiota é conjunto de população de microrganismos que coloniza a superfície epidérmica e as membranas mucosas do corpo. O mundo dos microrganismos vai muito além do trato digestivo (formado pela cavidade oral, esôfago, estômago, intestinos delgado e grosso e canal anal, auxiliado pelas glândulas anexas, que são as glândulas salivares, fígado e pâncreas), existem microbiota geniturinário, glândula mamaria e do leite materno, trato respiratório e da pele, entre outras.
A função intestinal tem grande contribuição para o sistema imunológico, porque o desenvolvimento e maturação do sistema imunológico estão fortemente relacionados. A microbiota exerce efeitos benéficos sobre o hospedeiro (nós).
A microbiota possui as funções antagonismo microbiano (evitar a invasão e combater), funções nutricionais e metabólicas (recuperação de energia e absorção de nutrientes) e modulação do sistema imunológico (ação que ocorre como uma barreira física feita por células localizadas no sistema gastrointestinais chamadas IEC, intestinal epitelial cells, já associado diretamente ao intestino está o GALT).
Estudo cientifico publicado pela Saudi Journal of Biological Sciences em 2021 onde os autores fizeram a relação entre a função intestinal e infeção por COVID demonstra um grande papel neste órgão como agente protetor e preventivo contra a infeção, dando destaque em probióticos e prebióticos.
Existem fatores que podem contribuir para alteração da microbiota na vida adulta, tais como, gravidez, tipo de alimentação, estado de saúde e doença (todas as doenças crônicas já pré-existente e autoimunes) , antibióticos, tabagismo, entre outros fatores (tratamento de higiene pessoal e cosméticos).
Alteração da microbiota intestinal acontece em todas as fases da vida, pré-natais, tipo de parto, primeiros anos de vida, infância e juventude, velhice. Melhorar o perfil da microbiota intestinal por meio de nutrição personalizada como forma mais eficaz e eficiente para melhorar a imunidade pode ser uma das maneiras profiláticas pelas quais o impacto desta doença pode ser minimizado em idosos e pacientes com ou sem morbidades.
Anderson Melo -Expert em Nutriçãoe Mestrando pela Universidad del Atlántico
instagram: nutricionista_andersonmelo
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos