Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

domingo, 16 de maio de 2021

ROENDO A CORDA: Igreja Universal sinaliza romper com Bolsonaro por causa de crise em Angola

Religiosos apontam “omissão”,Frente a deportação de pastores,
Deputado promete obstrução, Republicanos não deve endossar. O governo do presidente Jair Bolsonaro vê crescer a ameaça de perder o apoio da Igreja Universal do Reino de Deus. Foram emitidos alertas de um possível desembarque a partir de pessoas próximas ao bispo Edir Macedo, fundador da igreja, e de congressistas do Republicanos, partido ligado à instituição evangélica. Nesta 6ª feira (14.mai.2021), o bispo Renato Cardoso, responsável pela Igreja Universal no Brasil e genro de Edir Macedo, criticou diretamente o governo Bolsonaro em entrevista ao Jornal da Record –emissora de Macedo.
Cardoso falou em “decepção” e apontou “omissão” por parte do governo no caso envolvendo conflitos sobre a permanência de pastores da Igreja Universal em Angola.
O pivô do desgaste entre evangélicos da IURD e o governo foi a alegada inação das autoridades brasileiras à ordem de deportação de 34 brasileiros do país africano. A medida foi imposta depois que a instituição religiosa disse ter identificado comportamento impróprio de angolanos e afastado essas pessoas do comando da Igreja Universal do Reino de Deus naquele país africano.
Presente em Angola desde 1992, a Universal afirma que o conflito começou há mais de 1 ano. Não há detalhes sobre a razão exata da expulsão dos agora ex-pastores angolanos, que reagiram e formaram uma dissidência dentro da instituição –visando a forçar a saída dos brasileiros.
“O que mais nos indigna não é o que está acontecendo lá em Angola. É a ausência de autoridades brasileiras para interceder pelos pastores, pelos brasileiros em um país estrangeiro. Até quando o governo brasileiro vai ficar calado, passivo, diante desta situação?”, questionou Cardoso.
Ele lembrou que os religiosos são parcela importante da base de apoio do governo. Desde a campanha eleitoral de 2018, Edir Macedo apoia Bolsonaro.
“[O governo] já deveria estar fazendo cumprir os seus tratados internacionais com a Angola. Esse é o protesto, especialmente do povo cristão, do povo evangélico, do povo católico, que apoiou esse governo, faz parte da base do governo. Mas, agora recebe em troca uma omissão. É muito triste e decepcionante para o povo cristão no Brasil”, declarou Renato Cardoso.
O Jornal da Record publicou reportagem na 6ª feira (14.mai.2021) sobre a chegada de 14 missionários da Universal que foram expulsos de Angola. No vídeo está também Renato Cardoso fazendo as declarações transcritas aqui neste post:
"TWITTER: Jornal da Record - @jornaldarecord - Mais um grupo de missionários da Igreja Universal deportados de Angola chega ao Brasil #JornalDaRecord #JR24H.
Eduardo Bravo, presidente da União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos, disse ver “requintes de crueldade” por parte do governo angolano e “perseguição religiosa muito grande”. Para ele, “o Itamaraty não está respondendo à altura”.
Em agosto do ano passado, os angolanos determinaram o fechamento de templos da igreja no país. A Universal foi acusada de atos ilegais, entre eles fraude fiscal e exportação ilícita de capitais. A igreja respondeu que recorreria da decisão. Cobrado por lideranças religiosas e por congressistas, Bolsonaro havia enviado, em julho de 2020, carta ao presidente de Angola, João Manuel Lourenço, demonstrando preocupação e solicitando garantias de proteção a membros da Universal e ao patrimônio da igreja no país africano.
Desde a eclosão da crise interna na Universal no país africano, pastores brasileiros e suas famílias estavam em situação incerta em Angola. Aí veio a decisão de deportação nesta semana.
Em nota divulgada na 5ª feira (13.mai.2021), o Ministério das Relações Exteriores afirmou ter convocado o embaixador de Angola “para solicitar esclarecimentos sobre a deportação de nacionais brasileiros no dia 11/05 e os aspectos legais associados ao caso”.
O Itamaraty declarou que “manteve permanente contato com as autoridades angolanas para assegurar a devida proteção consular” dos brasileiros deportados. Segundo o MRE, 9 brasileiros embarcaram ao Brasil na 3ª feira (11.mai) e os demais que não conseguiram embarcar puderam aguardar o embarque em suas residências.
CONGRESSO
O partido Republicanos tem ligações com a Igreja Universal, mas a cúpula da sigla descarta um rompimento com o governo por causa desse caso de Angola. A legenda tem um ministro na gestão Bolsonaro: João Roma, na pasta da Cidadania.
Cerca de 1/3 da bancada de 33 deputados do Republicanos tem proximidade com a Igreja Universal. Poderão adotar tom mais crítico ao governo, mas a atitude será considerada individual e não uma conduta a ser recomendada aos demais filiados à legenda.
A bancada também tem deputados evangélicos de outras denominações, como Marco Feliciano (SP), próximo à Assembleia de Deus.
Na 5ª feira (13.mar.2021), um dos deputados ligados à Universal, Márcio Marinho (Republicanos-BA), discursou no plenário da Câmara contra a forma como o governo brasileiro lida com o caso dos integrantes da igreja em Angola.
“Até agora nós não vimos nenhum comportamento de apoio aos missionários brasileiros por parte desse governo”, disse Marinho.
Ele comparou o caso ao do motorista Robson Nascimento, que estava preso na Rússia por ter entrado no país transportando um remédio controlado para o sogro do jogador Fernando, o Mytedom 10mg (cloridrato de metadona).
“O presidente apareceu do lado dele dizendo que fez todos os contatos diplomáticos para resolver aquele problema. E com a gente, não? Dois pesos e duas medidas”, declarou Marinho. “Lá na Comissão de Relações Exteriores o meu partido, o Republicanos, vai obstruir todas as matérias relacionadas a acordos, tratados entre Brasil e Angola”, disse o deputado. Ele anunciou que renunciaria à presidência do Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Angola.
O deputado Aécio Neves (PSDB-MG), presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, enviou nesta 6ª feira (14.mai) ofícios tanto à embaixada de Angola em Brasília quanto ao Itamaraty para ser informado sobre a situação da Igreja Universal no país africano.
Leia a nota completa divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores na última 5ª feira (13.mai):
Na tarde de hoje, o Ministro de Estado das Relações Exteriores convocou o embaixador de Angola para solicitar esclarecimentos sobre a deportação de nacionais brasileiros em 11/05 e os aspectos legais associados ao caso.
Desde que a Embaixada do Brasil em Luanda tomou conhecimento da notificação de deportação dos 34 cidadãos brasileiros, manteve permanente contato com as autoridades angolanas para assegurar a devida proteção consular, que foi prestada em cada ocasião em que foi necessária. Na noite de 11/05, nove dos 34 cidadãos brasileiros embarcaram para o Brasil. O embarque transcorreu com tranquilidade, por meio de apresentação voluntária, e deu-se na presença de dois funcionários consulares brasileiros, que acompanharam o processo ao longo de todo o dia, prestando a plena assistência consular a que fazem jus os cidadãos do nosso país.
A pedido do embaixador do Brasil, foi assegurado aos demais brasileiros, que não conseguiram embarcar na noite de 11/05, o direito de aguardar o embarque em suas residências.
EMILLY BEHNKE, CAIO SPECHOTO e MARIANA HAUBERT/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos