PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 1 de junho de 2021

CORONAVÍRUS: OMS batiza variantes do coronavírus com letras do alfabeto grego

Para evitar estigmatização e discriminação, Organização Mundial da Saúde lança novo padrão para nomear cepas do SARS-CoV-2. Variante brasileira passa a se chamar "Gamma".A Organização Mundial da Saúde anunciou nesta segunda-feira (31/05) um novo padrão para nomear as variantes do coronavírus. As novas cepas deverão ser chamadas por letras do alfabeto grego e não mais identificadas por meio do local onde foram detectadas pela primeira vez.
Segundo a OMS, a mudança quer evitar a estigmatização e a discriminação dos países onde essas variantes foram detectadas. A padronização também visa simplificar o tema. Cientistas criticavam, por exemplo, que eram utilizados vários nomes para a cepa descoberta na África do Sul possuía, incluindo B.1.351, 501Y.V2 e 20H/501Y.V2.
Com a mudança, a variante britânica passa a ser chamar oficialmente alpha, a sul-africana beta, a brasileira gamma, e as indianas de kappa e delta.
A OMS pediu que os países e a imprensa passem a adotar a nova nomenclatura das variantes e evitem a associar novas cepas ao local onde foram detectadas pela primeira vez. A organização acrescentou, porém, que as novas denominações não substituem os nomes científicos, que devem continuar sendo usados em trabalhos acadêmicos.
Desde o início da pandemia, os nomes utilizados para descrever o SARS-CoV-2 têm provocado polêmica. O ex-presidente americano Donald Trump costuma chamar o novo coronavírus de "o vírus da China", como uma forma de tentar culpar o país rival pela pandemia.
O novo padrão foi escolhido após "uma ampla consulta e revisão de muitos sistemas de nomenclatura", afirma a OMS. O processo durou meses e entre as sugestões de padronização estavam nomes de deuses gregos, de religiões, de plantas ou simplesmente VOC 1, VOC2, e assim por diante.
Associação ao local de origem
Historicamente vírus novos costumam ganhar nomes associados ao local de descoberta, como o ebola que leva o nome de um rio congolês. No entanto, esse padrão pode ser prejudicial e impreciso, como é o caso da gripe espanhola de 1918, cujas origens são desconhecidas, mas acredita-se que os primeiros casos surgiram no estado do Kansas, nos Estados Unidos.
"Nenhum país deve ser estigmatizado por detectar e reportar variantes do coronavírus", afirmou Maria Van Kerkhove, chefe técnica de resposta à covid-19 da OMS.
Nos Estados Unidos, asiáticos sofrem discriminação e ataques no início da pandemia. Ativistas culparam Trump por alimentar esses sentimentos e atitudes ao fazer associações com o coronavírus e a China.
cn (Reuters, AP, Lusa)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos