PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Fim da apuração no Peru dá vitória a Pedro Castillo

Com 100% das urnas apuradas, professor de esquerda conquistou 44 mil votos a mais do que a direitista Keiko Fujimori. Mas anúncio oficial do resultado ainda depende da análise de pedidos de impugnação. O Órgão Nacional de Processos Eleitorais (Onpe) do Peru anunciou na noite desta terça-feira (15/06) o fim da contagem dos votos do segundo turno da eleição presidencial no país, realizada em 6 de junho. O candidato de esquerda Pedro Castillo foi o mais votado, com 50,12% dos votos, contra 49,87% da direitista Keiko Fujimori.
Considerando todos os votos contabilizados, Castillo obteve 8.835.579, e Keiko, 8.791.521. Uma diferença de apenas 44 mil votos.
No entanto, Castillo ainda não foi declarado o vencedor do pleito. O anúncio do resultado oficial ainda depende do Júri Nacional Eleitoral (JNE), responsável por analisar a impugnação de atas de votação.
O partido de Keiko, o Força Popular, tenta virar o resultado com pedidos de anulação de aproximadamente 200 mil votos, alegando supostas irregularidades em seções eleitorais, sem apresentar provas concretas de fraude.
Mais de 25 milhões de peruanos estavam aptos a ir às urnas no último dia 6, e 18,8 milhões (74,5%) o fizeram no país e no exterior, sendo que 17,6 milhões de votos foram considerados válidos.
Na votação de 2016, Keiko, que é filha do ex-presidente Alberto Fujimori, perdeu o pleito por 41 mil votos de diferença para o banqueiro Pedro Pablo Kuczynski, que acabou perdendo o cargo em março de 2018 por pressão da bancada fujimorista no Congresso.
Pedro Castillo rejeitou terça-feira os pedidos para a anulação da votação, por alegada fraude, exigidos pelos apoiantes do candidato Keiko Fujimori.
"Eles continuam a pedir a anulação das eleições. Aguardamos pacientemente o resultado", salientou Castillo, numa coletiva de imprensa na sede do seu partido, em Lima.
No Twitter, Castillo voltou a se declarar o vencedor da disputa, dizendo que "um novo tempo começou". "Milhões de peruanos/as se levantaram em defesa de sua dignidade e justiça. Graças aos povos de todo o Peru, que a partir de sua diversidade e força história me deram sua confiança. Meu governo será de toda a população."
"TWITTER: Pedro Castillo Terrones - @PedroCastilloTe - Un nuevo tiempo se ha iniciado. Millones de peruanos/as se han alzado en defensa de su dignidad y justicia. Gracias a los pueblos de todo el Perú que desde su diversidad y fuerza histórica me han brindado su confianza. Mi gobierno se deberá a toda la ciudadanía. #PalabraDeMaestro 6:48 PM · Jun 15, 2021
Castillo já havia se declarado vencedor do pleito no dia 8 de junho, quando 98,3% dos votos já haviam sido contados.
A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu na segunda-feira "calma para evitar novas divisões sociais".
A missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) destacou na sexta-feira que não havia encontrado "irregularidades graves" nas eleições presidenciais do Peru, classificando-as como "positivas".
Ainda não há data para a divulgação dos resultados finais e a autoridade eleitoral tem sofrido pressões por parte dos apoiantes dos dois candidatos que se manifestam diariamente em Lima.
A Constituição peruana não permite a anulação das eleições em nenhuma circunstância, exceto "quando os votos inválidos ou em branco, somados ou separadamente, excederem dois terços do número de votos válidos", de acordo com o artigo 184.
Polarização
Pesquisas eleitorais haviam indicado uma disputa acirrada. No pulverizado primeiro turno, com 18 candidatos, nem Fujimori nem Castillo haviam recebido mais de 20% dos votos, e ambos eram alvo de forte rejeição de setores da sociedade peruana. Muitos pensam que os dois são os piores candidatos que o Peru viu desde que se tornou independente, há 200 anos.
A pandemia não apenas levou a infraestrutura médica e de cemitérios do Peru ao colapso, deixou milhões de desempregados e ressaltou desigualdades no país, como também aprofundou a desconfiança da população na política, após o governo gerir mal a resposta à covid-19 e um escândalo de vacinação secreta vir à tona. O segundo turno ocorreu depois de uma revisão estatística pelo governo do país mais do que dobrar o número de mortos por covid-19.
Apesar de ser até então desconhecido na política, Castillo se tornou o candidato mais votado no primeiro turno, em abril, com 18,9%. Fujimori havia obtido 13,4% dos votos.
Trajetória de Castillo
O socialista Castillo, do partido Peru Livre, é professor de escola primária sem experiência de governo. Filho de camponeses analfabetos, ele entrou para a política ao liderar uma greve de professores. Ele venceu o primeiro turno das eleições, em abril.
Durante a campanha, Castillo propôs abolir o Tribunal Constitucional, controlar a mídia e nacionalizar a indústria de petróleo e gás, com intuito de criar um Estado socialista. Seu discurso ficou cada vez mais moderado nas últimas semanas, mas ele prometeu reescrever a Constituição aprovada sob o regime de Alberto Fujimori.
Entre os apoiadores de Castillo estão o ex-presidente boliviano Evo Morales e o ex-presidente uruguaio José Mujica.
A derrotada na contagem de votos
Por sua vez, a ex-congressista Keiko Fujimori, do partido Força Popular, concorreu pela terceira vez à presidência. Filha do ex-ditador Alberto Fujimori, que hoje está preso, ela mesma enfrenta ameaça de ser condenada a 30 anos de prisão por lavagem de dinheiro e financiamento ilegal de campanha, num escândalo envolvendo a construtora brasileira Odebrecht.
Keiko disse que perdoará seu pai se ganhar a eleição, saudando o retorno a uma época que muitos peruanos não desejam. "Fujimori anunciou que vai introduzir uma 'demodura' ou 'democracia com mão dura', governo autoritário com instituições democráticas, exatamente o que seu pai fez", explica a cientista política peruana Mayte Dongo.
Alberto Fujimori esteve no poder de 1990 a 2000, durante o qual obrigou dezenas de milhares de mulheres indígenas a serem esterilizadas. Atualmente, cumpre pena de 25 anos por autorizar sequestros e assassinatos por esquadrões da morte.
Os apoiadores de Fujimori incluíam jogadores da seleção peruana de futebol e o Nobel de Literatura Mario Vargas Llosa. O escritor, que perdeu uma disputa presidencial contra Alberto Fujimori há três décadas e chamou Keiko Fujimori de "a filha do ditador" em 2016, agora a classificou como representante "da liberdade e do progresso".
jps (efe, lusa, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos