The New York Times Company

The New York Times Company
Get the best of The Times in your inbox. Our newsletters are free, and you can unsubscribe at any time.

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

domingo, 6 de junho de 2021

Ministério quis distribuir máscaras inúteis a desfavorecidos

Segundo imprensa, ministro alemão da Saúde considerou destinar artigos médicos de segurança incerta a moradores de rua, portadores de deficiência e receptores de ajuda social. Oposição ataca político democrata-cristão. Segundo a revista alemã Der Spiegel, no contexto da pandemia de covid-19, no primeiro trimestre de 2020 o Ministério da Saúde do país comprou 570 mil máscaras de proteção imprestáveis, no valor de 1 bilhão de euros. Mesmo segundo as regras especiais da União Europeia então vigentes, elas não estavam liberadas para uso antes de testes de laboratório.
O caso veio à tona no fim de março, com o agravante de que a transação bilionária com os artigos provenientes da China teria sido mediada pela firma Hubert Burda Media, para a qual o marido do ministro da Saúde, Jens Spahn, trabalha como lobista.
O novo capítulo do escândalo, revelado na sexta-feira (04/06) pelo mesmo veículo de jornalismo investigativo, é que a certa altura o órgão teria considerado distribuir entre moradores de rua, deficientes ou dependentes do programa de assistência social Hartz-IV os artigos sanitários de eficácia questionável contra o novo coronavírus.
No entanto, o Ministério do Trabalho, responsável pela segurança das máscaras, teria recusado seu aval. Assim, ainda segundo a Spiegel, as máscaras estariam estocadas nos depósitos da Reserva Nacional de Saúde, criada em novembro de 2020, para utilização na eventualidade de uma catástrofe. Caso contrário, serão destruídas após transcorrida a data de validade.
Ministério se esquiva
O Ministério da Saúde em Berlim está se esforçando para dispersar as acusações: ao adquirir material médico "na situação emergencial da época", se teria "atentado estritamente para a qualidade". Caso se constatassem "deficiências" no decorrer da testagem, a mercadoria "não foi comprada nem paga".
"Na distribuição ou entrega gratuita de máscaras a estabelecimentos para desabrigados e portadores de deficiência, esteve sempre em primeiro plano a melhor proteção possível das cidadãs e cidadãos lá residentes e dos empregados", frisou o órgão, complementando: "Outras considerações não desempenharam qualquer papel por parte do Ministério da Saúde."
No tocante aos supostos planos de eliminação das máscaras sanitárias, a pasta afirma que o governo federal alemão não teria tomado decisões a esse respeito, e "nesse sentido, a reportagem em questão não procede, e não nos é conhecido em que ela se baseia".
Oposição e parceiros indignados
As revelações despertaram a indignação da política das Alemanha, não só entre a oposição, mas também partindo de parceiros de coalizão da governista União Democrata Cristã (CDU), a qual Spahn integra.
Segundo a presidente do partido A Esquerda, Janine Wissler, um ministro da Saúde que esteja disposto a conscientemente colocar grupos vulneráveis em risco "não é viável". O secretário parlamentar esquerdista Jan Korte complementou: "E mais uma vez parece ser irrelevante que se tenha jogado fora uma soma bilionária."
Falando ao jornal Handelsblatt, o vice-líder da bancada do Partido Liberal Democrático (FDP) no parlamento federal, Michael Theurer, exigiu um esclarecimento "exaustivo e implacável": "O mais tardar agora, um investigador especial do Tribunal Federal de Contas deve entrar em ação." Ele instou ainda os partidos governistas a impedirem que "máscaras defeituosas sejam armazenadas na Reserva Nacional de Proteção da Saúde".
Por sua vez, Norbert Walter-Borjans, presidente do Partido Social-Democrata (SPD), que integra a coalizão de governo ao lado das siglas conservadoras-cristãs CDU e CSU, se dirigiu diretamente ao líder democrata-cristão, Armin Laschet, o qual "agora deve se colocar a questão, se esse procedimento de Jens Spahn ainda é sustentável para um partido com uma etiqueta cristã: "O público tem direito de uma resposta rápida", disse ao semanário Bild am Sonntag.
O secretário-geral do SPD, Lars Klingbeil, também insistiu no esclarecimento das ocorrências, e "se procedem, tem que haver consequências no Ministério da Saúde". O que aconteceu "é desumano", criticou durante um evento eleitoral.
av (AFP,EPD,DPA,ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos