The New York Times Company

The New York Times Company
Get the best of The Times in your inbox. Our newsletters are free, and you can unsubscribe at any time.

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quinta-feira, 3 de junho de 2021

Na TV, Bolsonaro promete vacina e crescimento, e é alvo de panelaços

Presidente diz que todo brasileiro que quiser será vacinado até o final do ano. Protestos eclodem em várias cidades, e senadores da CPI da Pandemia afirmam que "reposicionamento vem tarde demais".Panelaços e gritos contra Jair Bolsonaro foram ouvidos em diversas capitais do país na noite de quarta-feira (2/06), enquanto o presidente fazia um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV para defender a vacinação, mencionar números positivos sobre a economia e reiterar sua posição contrária ao isolamento social.
O presidente tem sido pressionado pelas atividades da CPI da Pandemia no Senado, sobre a qual não tem controle, e foi alvo neste sábado de manifestações de rua em pelo menos 180 cidades que pediam o seu impeachment.
Números sobre vacinas
Em uma fala de cinco minutos, Bolsonaro defendeu a política de vacinação contra a covid-19 desenvolvida pelo governo federal e disse que todos os brasileiros que desejarem serão vacinados até o final do ano.
"Hoje alcançamos a marca de 100 milhões de doses de vacinas distribuídas a estados e municípios. O Brasil é o quarto país que mais vacina no planeta", afirmou o presidente, usando o número absoluto de doses, sem levar em conta a população de cada país. Quando é considerada a população, o Brasil é o 64º país do ranking de vacinação, com cerca de 32 doses aplicadas a cada 100 habitantes.
Em diversos momentos da pandemia, Bolsonaro reduziu a importância das vacinas e questionou a sua eficácia, e alguns depoimentos da CPI da Pandemia mostraram como o governo hesitou em apoiar a produção da Coronavac pelo Instituto Butantan e recusou diversas ofertas de doses feitas pela farmacêutica Pfizer.
Contra o isolamento
Bolsonaro manteve seu posicionamento contrário ao isolamento social, adotado por países que conseguiram controlar o número de novos casos e mortes e considerado por especialistas uma medida necessária para combater a disseminação do vírus enquanto a população não atinge a imunidade coletiva por meio de vacinação.
"O nosso governo não obrigou ninguém a ficar em casa, não fechou o comércio, não fechou igrejas ou escolas e não tirou o sustento de milhões de trabalhadores informais. Sempre disse que tínhamos dois problemas pela frente, o vírus e o desemprego, que deveriam ser tratados com a mesma responsabilidade e de forma simultânea", afirmou o presidente.
Promessa de crescimento
Ele também utilizou o tempo em rádio e TV para mencionar números positivos da economia, como a criação de mais de 900 mil empregos nos quatro primeiros meses do ano, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), e a projeção de que o Produto Interno Bruto (PIB) poderá crescer mais do que 4% neste ano.
O PIB brasileiro cresceu 1,2% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o último trimestre de 2020, segundo dados divulgados nesta terça pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e voltou ao patamar pré-pandemia. O desemprego, porém, segue no recorde da série histórica, e atingiu 14,7% no primeiro trimestre.
CPI da Pandemia divulga nota
Após o pronunciamento de Bolsonaro, o presidente da CPI da Pandemia no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e o relator, Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgaram nota na qual afirmam identificar uma "inflexão" do presidente no discurso favorável à vacinação, mas que veio com "um atraso fatal e doloroso".
"O Brasil esperava esse tom em 24 de março de 2020, quando inaugurou-se o negacionismo minimizando a doença, qualificando-a de 'gripezinha' (...) A fala deveria ser materializada na aceitação das vacinas do Butantan e da Pfizer no meio do ano passado, quando o governo deixou de comprar 130 milhões de doses", afirma a nota.
"A reação é consequência do trabalho desta CPI e da pressão da sociedade brasileira que ocupou as ruas contra o obscurantismo. Embora sinalize com recuo no negacionismo, esse reposicionamento vem tarde demais", escrevem os senadores.
bl (ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos