PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Prefeito contrário ao lockdown sofre perseguição política

Desde que assumiu publicamente sua posição contrária à interferência do Ministério Público Estadual (MPE) em questões de cunho administrativo, ou seja, em decisões que competem ao Executivo Municipal, o prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado (PSL), tornou-se alvo de perseguição de alguns membros do MP. A prova desse rasto foi a recente decisão de cassar, sem provas robustas, o mandato do prefeito Rafael Machado e seu vice, Antonio Cesar Brolio, por suposta promoção pessoal. A fragilidade da decisão e sua suspeição levaram a defesa do prefeito e seu vice à contestar a denúncia oferecida pela Promotoria de Justiça.
No final de março deste ano, o prefeito Rafael Machado se posicionou contrário ao fechamento total do comércio em função da pandemia na tentativa de evitar um colapso na economia do município. A atitude do gestor provocou uma reação imediata do Ministério Público, inclusive com ameaças públicas de afastamento caso não cumprisse com a ordem de lockdown. Na ocasião, o prefeito mencionou a perseguição política ideológica por parte do MP.
De acordo com a defesa, o prefeito é acusado de promoção pessoal ao utilizar as redes sociais do Executivo Municipal para se promover durante o período eleitoral do ano passado. No entanto, a defesa sustenta que durante o processo eleitoral de 2020 as redes sociais da prefeitura estavam desativadas. Portanto, não cabendo tal interpretação.
Além disso, a promotoria alega, erroneamente, que as publicações são peças publicitárias institucionais, mas na verdade são reportagens produzidas por uma equipe contratada pelo então candidato a prefeito para utilizar em canais gratuitos de comunicação.
“Não o bastante o Ministério Público alega o dever da impessoalidade e usa a expressão "apresentador", o que deixa explícito o sentimento pessoal do promotor”, destaca a defesa dos gestores municipais.
Revoltada
Após a divulgação da decisão de cassar o prefeito e o vice, a população de Campo Novo do Parecis utilizou das redes sociais para expor sua indignação e questionar a insegurança jurídica, principalmente nesse momento delicado da pandemia. Um grupo de pessoas está organizando uma manifestação em frente à sede da Promotoria de Justiça.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos