PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

domingo, 11 de julho de 2021

ALÍQUOTA PREVIDENCIÁRIA: Conselheiro rebate críticas do deputado Eduardo Botelho sobre projetos que reduzem alíquota da previdência estadual

Umbelino Neves afirma que envio de projetos que reduzem alíquota previdenciária dos aposentados e pensionistas para a ALMT depende do governador Mauro Mendes.
O conselheiro Umbelino Neves rebate as críticas do deputado Eduardo Botelho de que os dois projetos de lei que reduzem a alíquota previdenciária dos aposentados e pensionistas do Estado não teriam chegado ainda à Assembleia Legislativa de Mato Grosso por demora do Conselho Deliberativo do Regime Próprio da Previdência Social (RPPS/MT). De acordo com Umbelino Neves, o presidente do Conselho é o governador Mauro Mendes e depende do chefe do Executivo convocar sessões extraordinárias para acelerar o processo. “O Conselho não é uma instância homologadora de propostas, mas sim deliberativa e, como tal, tem que ser respeitada”, alega o conselheiro.
Ainda segundo Umbelino Neves, um dos projetos de lei já foi aprovado pelo conselho e protocolado na Casa Civil para ser enviado e o outro está dependendo apenas do estudo de impacto financeiro e da convocação de reunião extraordinária por parte do governador Mauro Mendes para ser devolvido à Casa Civil e, na sequência, encaminhado à Assembleia Legislativa.
O projeto já aprovado no conselho trata da isenção para segurados com doenças incapacitantes, os quais têm um custo altíssimo com medicamentos necessários ao seu tratamento. A proposta articulada pelo Deputado Botelho junto ao governo previa a isenção até o teto do INSS (R$ 6.433,57). Solicitamos vistas e, na reunião seguinte, o Conselheiro Umbelino apresentou proposta de isenção até o dobro do teto do INSS (R$ 12.867,14 e com um custo adicional para a previdência de apenas 3 milhões por ano, a qual foi aprovada por 6 votos a 5. “Fizemos justiça, pois era a alíquota cobrada antes da reforma da previdência”, afirma Umbelino.
O outro projeto de lei prevê isenção para os aposentados e pensionistas que ganham até R$ 9 mil, os quais, pela proposta articulada novamente pelo Dep. Botelho, passariam a pagar 14% de previdência sobre o valor que ultrapassa R$ 3.300,00. Os demais aposentados continuariam pagando 14% sobre o que ultrapassa 1 Salário Mínimo. Antes da reforma da previdência, todos os aposentados somente pagavam previdência sobre o valor que ultrapassasse o teto do INSS, ou seja, de 6.433,57 para frente.
Com a reforma da previdência, Mato Grosso foi um dos poucos estados a taxar todos os aposentados e pensionistas com o recolhimento da contribuição previdenciário ao MT PREV de 14% sobre o que ultrapassa 1 salário mínimo, exceto àqueles que ganham até 3 mil reais , os quais estão isentos.
O conselheiro Umbelino apresentou uma proposta no sentido de taxar somente o valor excedente ao teto INSS (R$ 6.433,57), assim como é para os servidores da União e na grande maioria dos Estados. “No entanto, como não havia estudo de impacto financeiro e atuarial de ambas as propostas, pedimos vistas no processo e estamos aguardando o MT PREV convocar nova reunião e apresentar estes estudos para que seja analisado”.
Umbelino Neves reafirma que o trâmite está seguindo o curso normal e que o Conselho não está atrasando a devolução dos projetos de lei à ALMT. “Não podemos aprovar projetos desta natureza sem estudo de impacto financeiro. Além do quê, voltamos a dizer que estamos trabalhando para melhorar a proposta de redução da alíquota como se praticava antes da reforma da previdência, contemplando o maior número possível segurados e com impacto mínimo nos cofres da previdência estadual”, conclui o conselheiro, lembrando que o Conselho também depende do governador Mauro Mendes para a convocação de extraordinárias para acelerar os processos.
Sandra Cravalho/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos