PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Ginastas da Alemanha brilham com trajes de corpo inteiro

Atletas olímpicas alemãs podem não estar à frente nas medalhas, mas lideram o combate à sexualização com seus uniformes longos. Esportistas devem ser livres para vestirem o que quiserem, opina Dagmar Engel. Não é nada agradável ser filmada bem entre as pernas quando se está fazendo um salto-tesoura ou um espacate, vestindo um collant super justo.
Afinal, as regras da ginástica admitem uniformes cobrindo as pernas, contanto que sejam bem apertados – para as mulheres. O fato não pode ter nada a ver com a avaliação do desempenho, já que os ginastas se apresentam de leggings mais folgados. Se nos exercícios de solo eles usam calção, é porque a alça sob o pé atrapalha ao correr e saltar.
Homens
O motivo por trás de tudo isso é o de sempre: as regras são feitas por homens, visando um público masculino voyeurístico. As imagens e comentários a respeito ficam a cargo das redações esportivas, ainda hoje ocupadas basicamente por homens.
Fora dos grandes eventos, como os Jogos Olímpicos, as mulheres são pouco interessantes para o noticiário esportivo. Nos Jogos, elas devem pelo menos se mover dentro dos limites dos clichês: altamente eficientes, simpáticas, graciosas e, se possível, sexy. Sex sells.
Mulheres
No entanto, esse mercado é finito. Associações de esporte, mídia e patrocinadores precisam de mais mulheres – como sócias, usuárias, consumidoras – para poderem continuar crescendo. Trata-se de dinheiro.
E mesmo que a motivação seja medíocre, tanto faz: se desse modo as próprias esportistas puderem decidir quanto querem mostrar de seu corpo, sem que lhes seja ditado por governos, religiões ou regras masculinas, o fim justifica os meios.
Jovens
O clima geral da sociedade mudou, ainda que nas redes sociais nem todo mundo tenha notado: nelas ainda se trava a última batalha defensiva contra o traje de corpo inteiro e contra esportistas seguras de si, em geral.
Pelo menos o Comitê Olímpico Internacional (COI) notou que os Jogos Olímpicos precisam se transformar, se quiserem continuar existindo. Através de novas modalidades, como BMX freestyle, surfe e skate, procura-se conquistar a juventude. E essa tem noções bem diferentes do que é o vestuário correto, independentemente do gênero.
Dagmar Engel é jornalista da DW. O texto reflete a opinião pessoal da autora, não necessariamente da DW.
Dagmar Engel/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos