PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

sábado, 3 de julho de 2021

Manifestantes fazem ato contra Bolsonaro em Berlim

Protesto ocorre diante do emblemático Portão de Brandemburgo. Capital alemã é uma entre várias cidades europeias a registrar atos contra o presidente. O emblemático Portão de Brandemburgo foi palco neste sábado (03/07) de mais um ato contra o governo Jair Bolsonaro em Berlim.
Dezenas de manifestantes levaram cartazes pedindo o impeachment do presidente, fizeram críticas à gestão da pandemia pelo atual governo e denunciaram a violência contra os povos indígenas. Cartazes lembraram também Marielle Franco, vereadora carioca assassinada, e o escândalo envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin. Os manifestantes também criticaram os militares por apoiarem o governo Bolsonaro.É a terceira vez que a capital alemã registra um protesto contra Bolsonaro desde que, no fim de maio, os movimentos opositores decidiram voltar às ruas contra o atual governo no Brasil.
Além de Berlim, outras cidades alemãs, como Freiburg, tiveram atos contra Bolsonaro.
Ao longo do sábado, foram realizados protestos em várias cidades europeias, como Dublin, Londres, Coimbra e Viena, em apoio às manifestações nacionais convocadas por movimentos opositores. A mobilização nacional é a terceira da série que oposicionistas têm realizado desde 29 de maio, após um longo período de receio de organizar atos presenciais durante a pandemia. Nessa mesma data, o país superou a marca de 500 mil mortos por covid-19.
A nova rodada protestos estava agendada para o dia 24 de julho, mas foi adiantada devido ao estouro de escândalos de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin, que envolve Bolsonaro e o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), e à acusação de pedido de propina por um então diretor do Ministério da Saúde em uma oferta suspeita de venda de doses da AstraZeneca.
Isadora Pamplona/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos