PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

sábado, 10 de julho de 2021

Morre a sobrevivente do Holocausto Esther Bejarano

Artista judia, que sobreviveu a Auschwitz ao tocar na orquestra do campo, se dedicou até os últimos dias a conscientizar gerações seguintes sobre o fascismo e o racismo. Ela tinha 96 anos. Morreu neste sábado (10/07) em Hamburgo, aos 96 anos, a ativista política e sobrevivente de Auschwitz Esther Bejarano, que dedicou sua vida a conscientizar as gerações seguintes sobre os horrores do fascismo, do racismo e do Holocausto.
Esther nasceu em 1924, com o sobrenome Loewy, na cidade de Saarlouis, no oeste da Alemanha. Ela testemunhou quando criança como os nazista tomaram o poder. E passou sua juventude sendo perseguida por um regime totalitário racista.
"Os melhores anos da juventude são aqueles entre os 16 e 20 anos de idade. Mas que tipo de juventude nós tivemos? Nenhuma, na verdade. Uma juventude horrível", contou ela à DW pouco antes do seu 90º aniversário.
Os nazistas praticamente roubaram esta parte de sua vida, dizia ela. Perseguição na escola, a separação dos pais, três campos de concentração e uma marcha da morte - Esther Bejarano sobreviveu a tudo isso.
"Enquanto tocava, sabia que iam ser mortos"
Em seu livro de memórias, ela conta como chegou a Auschwitz, completamente exausta depois de vários dias de viagem num vagão de trem abarrotado. Bejarano foi cumprimentada pelos oficiais das SS com as palavras: "Agora, seus judeus imundos, vamos mostrar o que significa trabalhar".
Ela foi forçada a trabalhar duro, carregando pedras pesadas. Em algum momento, ouviu dizer que as SS estavam procurando meninas para uma orquestra no campo. Ela teve a sorte de ser incluída no grupo como acordeonista - embora ela nunca tivesse tocado o instrumento antes.
A habilidade que ela havia adquirido ao tocar piano enquanto em casa - seu pai também era cantor - e sua vontade de sobreviver provaram ser fundamentais para ela.
A orquestra em si significou sua sobrevivência: 40 jovens mulheres tinham que se apresentar sempre que prisioneiros do campo marchavam para o trabalho, ou quando novos trens com judeus a bordo chegavam de toda a Europa.
"Você sabia que elas iam ser mortas na câmara de gás e tudo o que eu podia fazer era ficar ali e tocar", contou Esther Bejarano à DW em 2014. Foi o pior, afirmou. que ela teve que suportar em Auschwitz.
Paixão pela música não se abalou
A experiência nunca teve um impacto negativo em sua relação com a música. As canções e marchas populares que teve que tocar em Auschwitz, contava ela, não tiveram nada a ver com a verdadeira música. Ela tocava música composta por Mozart e Beethoven nos campos sem pensar nos crimes horríveis cometidos pelos nazistas. Para ela, a música simbolizava outra vida.
Depois da guerra, Bejarano, que também havia passado um tempo no campo de concentração feminino em Ravensbrück, transformou um sonho de infância em realidade: tornar-se uma cantora.
Ela estudou canto em Tel Aviv e, ainda durante seus estudos, fez uma turnê em Israel e no exterior. Ela conheceu então o futuro pai de seus filhos. Sua vida pós-guerra foi feliz, ela dizia. Nos anos 70, ela decidiu voltar para a Alemanha devido aos problemas de saúde do marido.
Ela optou por Hamburgo, já que a cidade não tinha nenhum significado especial para ela durante a infância. No início, disse à DW, ela se perguntava constantemente o que as pessoas que via nas ruas poderiam ter feito durante a guerra.
"Quando eu via pessoas que pareciam um pouco mais velhas do que eu, sempre me perguntava se talvez tivessem sido os assassinos de meus pais e de minha irmã", relembrou.
Mas, em vez de se remoer o passado, ela decidiu lutar. Seu objetivo era ajudar a evitar que "uma ideologia desumana" se espalhasse novamente, e seu método era contar a história de sua vida.A luta nunca parou
Junto com Anita Lasker-Wallfisch, Bejarano foi uma das poucas sobreviventes da orquestra feminina de Auschwitz. Ela foi cofundadora do Comitê Internacional de Auschwitz, e era frequentemente convidada a participar de eventos para narrar sua história. Ela também contou sua vida em muitas escolas e provou ser uma convidada popular, inspirando os jovens com sua música.
Bejarano permaneceu fortemente empenhada em combater a xenofobia até o final de sua vida, frequentemente provocando ataques e críticas de grupos de direita. No entanto, ela não permaneceu em silêncio sobre o assunto. Em 2004, ela fez barulho ao denunciar que a polícia havia dirigido canhões de água contra o carro sobre o qual ela discursava durante um protesto contra o extremismo de direita.
Em 2013, ela se pronunciou a favor dos refugiados e chamou as revistas policiais a africanos em Hamburgo de "desumanas e inaceitáveis", assim como a política europeia de refúgio como um todo.
Em agosto de 2015, um usuário do Facebook a acusou em um post de "cumplicidade no assassinato em massa" enquanto "deixava outros caminharam para morte" com os olhos bem abertos porque ela havia "aderido voluntariamente à fundação de uma orquestra do campo". Bejarano reagiu prontamente e abriu uma uma ação judicial contra o homem.
Ela disse à emissora pública alemã NDR na época que nunca antes havia se sentido tão insultada e que as palavras do usuário do Facebook havia difamado "todos aqueles que haviam estado em Auschwitz".
Bejarano seguiu de perto os processos legais de vários supervisores de Auschwitz e chamou as aparições públicas da negadora do Holocausto Ursula Haverbeck em Detmold de "uma impunidade". Ela deveria ter sido levada à Justiça, disse Bejarano.
"Nunca mais Auschwitz" - essa afirmação foi uma premissa para a decisão de Bejarano de retornar à Alemanha. Mas apenas ouvir algo sobre o Holocausto em dias historicamente importantes não foi suficiente para ela. Esther Bejarano se encarregou de que a atitude fosse integrada na vida cotidiana dos alemães.
Sarah Judith Hofmann, Philipp Jedicke/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos