PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 28 de julho de 2021

Soja convencional se torna cada vez mais um nicho seleto de mercado para produtores de MT

A safra de soja 2021/22 em Mato Grosso inicia na segunda quinzena de setembro. De acordo com o Instituto Soja Livre, a área de soja convencional deve ser de 356,7 mil hectares, ou seja, 3,3% da área total que será cultivada no estado, de mais de 10,4 milhões de hectares. A soja convencional vem se tornando cada vez mais uma aposta em um nicho de mercado.
“O mercado consumidor europeu e também a China – nosso maior cliente, começam a demandar muita soja convencional. É um nicho que se deve se fortalecer para os agricultores brasileiros”, diz Endrigo Dalcin, presidente do Instituto Soja Livre.
Para o empresário César Borges, vice-presidente da Caramuru Alimentos e presidente eleito do Instituto Soja Livre, estes mercados podem ser ainda mais desbravados. “O mercado asiático tem sido atendido por outros países e podemos conquistar fortemente. Ainda há alguns detalhes de especificações que estão sendo discutidos pelo Ministério da Agricultura, mas há espaço. China e Japão são os principais, pois tem muito poder aquisitivo e o hábito de consumo humano de não- transgênicos”, afirma.
O mercado internacional está em alta e busca por variedades não geneticamente modificada, especialmente os países europeus. Para Borges, ainda há trabalhos a realizar no continente, especialmente levar aos consumidores e varejistas como é feita a agricultura no Brasil. “É um trabalho de falar que existe produção agrícola e industrial aqui, como ela é feita há mais de 20 anos, explicar como fazemos e quais as nossas necessidades”, acredita.
A preocupação de Endrigo Dalcin é com a possível falta de sementes para os produtores rurais que decidirem plantar convencional na próxima safra. “É um ciclo que ainda se repete: os agricultores decidem diminuir área porque não há contrato a longo prazo para a compra da soja convencional, as empresas produtoras de sementes não têm tanto volume para comercializar, a oferta de produto cai e o mercado demanda mais, com consequente alta nos preços e prêmios. Precisamos alinhar o processo com todos os elos da cadeia”, afirma.
A área de plantio de soja transgênica vem crescendo desde que os plantios comerciais iniciaram no Brasil em 2004. Mas em 2012, com a entrada no mercado da tecnologia RR2, é que houve um salto – 82% da área total já era utilizada para plantio de variedades transgênicas. De lá para cá, consequentemente, houve queda na área de soja convencional – de 33,2% da área na safra 2011/12 para os 3,3% esperados na próxima safra. Os países consumidores, entretanto, exigem cada vez mais a soja que não seja geneticamente modificada.
Thielli Bairros/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos