PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Com tomada de poder, Talibã abocanha US$ 1 trilhão em reservas minerais

Valiosas reservas de ferro, cobre, lítio, cobalto e terras-raras são trunfo de fundamentalistas para futuras relações com outros países. China já mostra interesse. O Talibã obteve um enorme trunfo financeiro e geopolítico para suas futuras relações com as maiores potências mundiais ao tomar o poder no Afeganistão, no domingo passado (15/08).
Em 2010, um relatório de geólogos e especialistas militares americanos afirmou que o Afeganistão, um dos países mais pobres do mundo, tem quase 1 trilhão de dólares em recursos minerais graças a reservas de ferro, cobre, lítio, cobalto e terras-raras.
Ao longo da década seguinte, a maior parte desses recursos permaneceu intocada por causa da violência no país. E, nesse meio tempo, o valor da maioria desses minerais explodiu devido à transição energética global.
Um novo relatório, feito pelo governo afegão em 2017, estimou que a riqueza mineral do Afeganistão pode valer 3 trilhões de dólares se forem incluídos os combustíveis fósseis.
Há uma demanda sem precedentes por lítio, que é usado em baterias para carros elétricos, smartphones e laptops. O crescimento anual é de 20%, comparado com os 5% ou 6% de alguns anos atrás.
O relatório do Pentágono descreveu o Afeganistão como a Arábia Saudita do lítio e calculou que as reservas do país asiático podem ser do tamanho das da Bolívia, que estão entre as maiores do mundo.
O cobre também se beneficia da recuperação da economia no pós-covid-19, com uma alta na demanda de 43% ao longo do ano passado. Mais de um quarto da riqueza mineral futura do Afeganistão pode vir da ampliação da mineração de cobre.
China e Paquistão já mostram interesse
Se Estados Unidos e União Europeia ameaçaram não cooperar com o Talibã depois da tomada de Cabul, a China, a Rússia e o Paquistão estão fazendo fila para fazer negócios com o grupo fundamentalista, o que só aumenta a humilhação de americanos e europeus com a queda do governo afegão.
A China, que produz quase metade dos bens industriais do mundo, é uma das principais responsáveis pela alta na demanda mundial por commodities. Os chineses, que já são os maiores investidores estrangeiros no Afeganistão, devem liderar a corrida para ajudar o país a construir um sistema de mineração eficiente que atenda à demanda insaciável dos chineses por minerais.
"A tomada de poder pelo Talibã ocorre num momento em que há uma crise de abastecimento desse minerais num futuro próximo e quando a China necessita deles", comenta o analista Michaël Tanchum, do Instituto Austríaco para Europa e Política de Segurança (AIES).
"A China já está em condições de extrair esses minerais no Afeganistão", completa. Uma das maiores mineradoras asiáticas, a Metallurgical Corporation of China (MCC), já tem uma concessão de 30 anos para extrair cobre na árida província afegã de Logar.
Em julho, líderes do Talibã se encontraram com o ministro chinês do Exterior, Wang Yi, em Tianjin, onde o vice-líder talibã, mulá Abdul Ghani Baradar, declarou esperar que a China "desempenhe um papel maior na reconstrução e desenvolvimento econômico" do Afeganistão.
Na segunda-feira, quando o Talibã já havia anunciado que o país voltaria a ser chamado de Emirado Islâmico do Afeganistão, a China declarou que estava pronta para manter relações amistosas e cooperativas com os novos donos do poder.
Mais uma estação na Nova Rota da Seda
A imprensa estatal chinesa, por sua vez, tem destacado que o Afeganistão poderá ser beneficiar com a Nova Rota da Seda, oficialmente chamada de Belt and Road Initiative, nome para um megaprojeto de infraestrutura que pretende criar estradas, ferrovias e rotas marítimas da Ásia à Europa.
Mas não se pode deixar de lado as preocupações com a segurança regional. Uma onda de violência em outros países da Ásia Central poderia atingir uma rede de dutos que fornece boa parte do petróleo e gás consumidos pela China.
O governo chinês também está preocupado com a possibilidade de o Afeganistão se tornar um refúgio para separatistas da minoria islâmica uigur e que os interesses econômicos chineses acabem prejudicados pela violência contínua no Afeganistão.
"As operações de mineração da MCC tem sido prejudicadas pela instabilidade no país, causada pelo conflito entre o Talibã e o governo deposto", observa Tanchum.
Mais segurança será necessária
"Se o Talibã puder oferecer condições estáveis à China, então só as operações de cobre poderão produzir dezenas de bilhões de dólares de recursos e incentivar o desenvolvimento da mineração de outros minerais no país", acrescenta.
Até aqui, os projetos de mineração existentes não trouxeram lucro para o governo afegão. Segundo a emissora Al Jazeera, as perdas do governo são da ordem de 300 milhões de dólares por ano.
Quem também deverá se beneficiar das riquezas minerais do país vizinho é o Paquistão. O governo em Islamabad, que apoiou a primeira tomada de poder pelo Talibã, em 1996, mantém laços com o grupo fundamentalista e foi acusado pelos Estados Unidos de dar refúgio a militantes talibãs.
E o Paquistão também é um dos principais beneficiados com os projetos de infraestrutura da China na Nova Rota da Seda. "O Paquistão tem um interesse próprio, já que os minerais extraídos poderão ser transportados pela rota comercial do Paquistão até a China", observa Tanchum. Para ele, um acordo com o Talibã dará ao governo paquistanês um incentivo para apoiar um ambiente de segurança estável na região.
Longo caminho
Mas a nova liderança do Afeganistão ainda tem um longo caminho pela frente se quiser extrair as riquezas minerais do país. A criação de um sistema de mineração eficiente num dos Estados mais fracassados do mundo pode durar muitos anos, o que implica que a economia afegã continuará dependendo da ajuda do exterior por muitos anos ainda.
E mesmo se a segurança interna puder ser melhorada, a corrupção, que é disseminada e exacerbou a rápida tomada de poder pelo Talibã, pode continuar impedindo os investimentos estrangeiros. E a infraestrutura e o sistema legal continuam sendo deficitários.
Os Estados Unidos e a Europa, que dependem das terras-raras importadas da China, agora encaram o dilema de como lidar com um regime do Talibã. Muitos investidores ocidentais têm se mostrado relutantes diante de projetos para extração de recursos naturais por temores de segurança e de respeito às leis.
Se eles cooperarem financeiramente com o regime do Talibã, serão criticados por ignorar o ataque do grupo fundamentalista à nascente democracia afegã e aos direitos humanos da população local. Se não cooperarem, verão a China e os tradicionais aliados do Talibã fazendo negócios.
Nik Martin/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos