PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 7 de agosto de 2021

Medeiros diz que proposta do voto impresso não foi enterrada

Defensor do voto impresso auditável, o deputado federal José Medeiros (Podemos) lamenta a decisão da comissão especial da Câmara que rejeitou ontem (5), por 23 votos a 11, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, que torna obrigatório o voto impresso. Para Medeiros, a decisão da maioria dos deputados que compõem a comissão não significa que a proposta do voto impresso tenha sido enterrada. Isso porque o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL) anunciou que pode levar a matéria para apreciação em plenário.
“Meu voto foi sim para o voto impresso auditável, pois precisamos modernizar o sistema de votação brasileiro. A população saiu às ruas e deixou claro que apenas o voto eletrônico não dá segurança jurídica necessária, além de ferir os princípios de publicidade e transparência. Agora, vamos brigar para que a comissão não arquive a PEC e que ela seja votada no Plenário da Câmara. Perdemos a batalha, mas não a guerra”, afirma Medeiros, que é vice-líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados.
A PEC, segundo Artur Lira, poderá ser avocada pelo Plenário da Câmara, mesmo depois da derrota no colegiado. “As comissões especiais não são terminativas, são opinativas, então, apenas sugerem o texto, mas qualquer recurso ao plenário pode ser feito”, explica o presidente da Câmara.
Diante da decisão da comissão especial em ignorar o desejo popular, Medeiros também voltou a criticar a posição negacionista do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, diante dos questionamentos sobre a confiabilidade da urna eletrônica. “Todo sistema eletrônico no mundo já foi invadido, mas será que apenas a urna eletrônica do Tribunal Superior Eleitoral não? O ministro Barroso ignora o posicionamento de milhares de brasileiros que questionam a confiabilidade da urna. Para apequenar o debate, o TSE ataca os apoiadores da proposta e tenta desviar o foco da discussão”.
O parlamentar voltou a lembrar de que o voto impresso não significa o fim da votação eletrônica, apenas a modernização da urna. “O projeto prevê que uma cédula seja impressa logo após a votação na urna eletrônica, oportunizando que o eleitor possa conferir seu voto de forma mais transparente. Em seu projeto, a deputada Bia Kicis argumenta que a materialização do voto eletrônico seria a solução para que as votações eletrônicas possam ser auditadas de forma ampla e independente”, conclui Medeiros.
Assessoria/Caminho Politico
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos