Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

CPI da Pandemia convoca ex-mulher de Bolsonaro para depor

Senadores querem apurar relação de Ana Cristina Valle, mãe de Jair Renan, com lobista ouvido nesta quarta pela comissão. Ele enviava à ex-esposa do presidente currículos de pessoas para ocupar cargos no governo. A CPI da Pandemia no Senado aprovou nesta quarta-feira (15/09) a convocação de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro e mãe de um dos filhos do presidente, Jair Renan Bolsonaro.
A decisão foi tomada na sessão do depoimento do lobista Marconny Albernaz de Faria, que atuou para a Precisa Medicamentos em tratativas para a venda de 12 milhões testes de covid-19 ao Ministério de Saúde, que não chegou a ser formalizada
Os senadores pretendem apurar qual é a relação entre Marconny e Ana Cristina. A comissão tem mensagens entre ambos mostrando que o lobista encaminhava à ex-mulher do presidente currículos de pessoas para serem indicadas a cargos no governo.
Uma dessa pessoas sugeridas por Marconny a Ana Cristina foi Leonardo Cardoso de Magalhães, para o cargo de defensor público-geral da União. A ex-mulher de Bolsonaro depois enviou e-mail ao então ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira, recomendando Magalhães ao cargo e afirmando que ele era um "candidato alinhado com os nossos valores, técnico e apoiador do Jair".
Durante o depoimento, Marconny admitiu que conhece Ana Cristina, mas se manteve calado quando questionado sobre o encaminhamento de currículos. Apenas o senador Marcos Rogério (DEM-RO), que defende o governo Bolsonaro, foi contra a convocação dela para depor à CPI.
Amigo de Jair Renan
Aos senadores, Marconny confirmou também ser amigo de Jair Renan, e que ajudou o filho do presidente a abrir sua empresa. Ele disse ter conhecido Jair Renan há cerca de dois anos, por meio de amigos em comuns, e que ao saber que ele queria abrir "uma empresa de influencer" o apresentou a um advogado tributarista que poderia o ajudar.
Marconny reconheceu ainda que comemorou seu aniversário em um camarote no estádio Mané Garrincha, em Brasília, que pertence a Jair Renan.
Segundo troca de mensagens entre os dois relevada pelo jornal Folha de S.Paulo, Marconny escreveu para Jair Renan: "Bora resolver as questões dos seus contratos!! Se preocupe com isso. Como te falei, eu e o William estamos a sua disposição para ajudar te ajudar". O filho do presidente, então, respondeu: "Show irmão. Eu vou organizar com Allan a gente se encontrar e organizar tudo."
O lobista também disse ter uma relação de amizade com Karina Kufa, advogada de Bolsonaro.
Relação com a Precisa
Um dos focos do depoimento de Marconny foi a sua atuação para a Precisa Medicamentos em uma tentativa de venda de testes para detecção de covid-19 ao Ministério da Saúde.
Os senadores suspeitam que ele teria desenvolvido um método para tentar formalizar a venda ao governo dos testes por meio de fraude, em conluio com ex-funcionários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ministério da Saúde.
A empresa também está no alvo da CPI por ter fechado a venda de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin ao governo, no valor de R$ 1,6 bilhão, mas nenhuma dose chegou ao país, devido a dificuldades de aprovação e outros problemas. A compra foi cancelada posteriormente.Marconny afirmou aos senadores que sua atuação profissional envolve a elaboração de "pareceres e estudos de viabilidade política e análise de cenário técnico-político", e que manteve tratativas com a Precisa por cerca de 30 dias, sem contrato formal, no caso da negociação dos testes de covid-19, mas que não participou da preparação e apresentação das propostas da empresa ao governo. Ele disse ter se reunido duas vezes com Francisco Maximiano, dono da Precisa.
"No início da pandemia, fui sondado para assessorar politicamente e tecnicamente a Precisa em concorrência pública que já estava em andamento perante o Ministério da Saúde e que tinha como objetivo a aquisição de testes rápidos para detecção do covid-19. Como a concorrência já estava em andamento, não participei da análise do edital, habilitação ou apresentação de proposta da Precisa", afirmou.
"O Ministério da Saúde cancelou essa concorrência em andamento e decidiu pela utilização de outros meios de testagem da população. Tendo aí terminado toda e qualquer participação no assunto, ou seja, tudo isso não passou de uma conversa de WhatsApp que durou aproximadamente 30 dias", disse. Ele afirmou que não atuou com a Precisa na venda da vacina indiana Covaxin.
O relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou ter informações de que Marconny teria atuado para fraudar a licitação da compra dos testes em associação com Maximiano e Roberto Dias, ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, também investigado pela CPI.
Recusa em identificar senador
Em um dos momentos crítico do depoimento, Marconny foi confrontado a respeito de uma mensagem que ele havia enviado a Ricardo Santana, ex-funcionário da Anvisa, obtida por meio da quebra de seu sigilo em outra investigação e compartilhada com a CPI pelo Ministério Público Federal.
Na mensagem, Marconny diz a Santana que estava em contato com um senador que poderia "desatar o nó" da venda de testes para detectar covid-19 ao Ministério da Saúde.
Indagado pelos integrantes da CPI, o lobista disse "não se lembrar" quem seria o parlamentar mencionado na mensagem e que não conhecia nenhum senador. O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da comissão, reagiu dizendo que Marconny estava "faltando com a verdade".
Em outra mensagem, Marconny afirmou a Santana que existiria uma "arquitetura ideal para o processo dos kits prosseguir" e fazia referência a "Bob ou sucessor", no que alguns senadores interpretaram como uma referência a Dias.
A CPI aprovou requerimento para que a Polícia Legislativa do Senado forneça dados sobre eventuais visitas de Marconny ao Senado, indicando para qual gabinete ele se deslocou.
Ex-ativista do Vem Pra Rua
Antes de atuar como lobista, Marconny foi ativista do grupo Vem Pra Rua durante o movimento pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016.
Questionado durante a CPI, ele disse que à época defendia, além da queda da petista, a moralidade, o combate à corrupção e pautas sobre a "família".
Ele disse também que foi filiado por seis meses ao Patriota, mesmo partido do senador Flávio Bolsonaro.
bl (ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos