PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 12 de outubro de 2021

CORONAVÍRUS: Vacinas reduzem em 90% risco de hospitalização e morte por covid, diz estudo

Realizado na França, maior estudo do tipo confirma alta eficácia dos imunizantes da Pfizer, AstraZeneca e Moderna em pessoas acima dos 50 anos. Proteção vacinal se manteve até cinco meses depois da segunda dose. A vacinação contra a covid-19 é altamente eficaz para a prevenção de hospitalizações e mortes, apontou um estudo francês de larga escala publicado nesta segunda-feira (11/10).
A pesquisa envolveu 22 milhões de pessoas acima de 50 anos de idade e constatou que as vacinas reduziram em 90% o risco de desenvolver um quadro grave ou morrer após contrair o coronavírus. "Isso significa que aqueles que estão vacinados têm nove vezes menos risco de serem hospitalizados ou de morrer de covid-19 do que os que não foram vacinados", afirmou o epidemiologista Mahmoud Zureik, que supervisionou o estudo, à agência de notícias AFP.
A pesquisa não teve como foco a eficácia das vacinas em termos de prevenção de infecções. Zureik destacou que evitar os casos mais graves é o principal objetivo de saúde pública. "Uma epidemia sem infecções graves não é mais uma epidemia", disse.
Os resultados confirmam o que pesquisadores já observaram nos Estados Unidos, no Reino Unido e em Israel, mas trata-se do maior estudo do tipo realizado até agora.
22 milhões de participantes
Analisando dados coletados a partir de 27 de dezembro de 2020, quando a França lançou sua campanha de vacinação contra a covid-19, os pesquisadores compararam cerca de 11 milhões de pessoas vacinadas com outras cerca de 11 milhões não vacinadas.
Pares de imunizados e não imunizados da mesma região e da mesma idade e sexo foram acompanhados da data da segunda dose da pessoa vacinada até 20 de julho.
A partir de 14 dias após a aplicação da segunda dose, o risco de desenvolver um quadro grave de covid-19 foi reduzido em 90%, segundo o estudo, conduzido pelo Epi-Phare, um grupo independente de pesquisa sobre segurança médica criado pelo governo francês.
Variante delta
A vacinação se mostrou quase tão eficaz contra a altamente contagiosa variante delta do coronavírus: a eficácia verificada contra casos graves e mortes foi de 84% para pessoas com 75 anos de idade ou mais, e de 92% para pessoas entre 50 e 75.
A estimativa, no entanto, é baseada em apenas um mês de dados, pois a delta se tornou dominante na França somente em junho.
"É um período muito curto para avaliar o real impacto da vacinação em relação a essa variante", ressaltou Zureik. Segundo o epidemiologista, que é chefe da Epi-Phare, os pesquisadores deverão agora dar prosseguimento ao estudo para incluir os resultados de agosto e setembro.
O estudo inclui pessoas vacinadas com os imunizantes da Pfizer-BioNTech, da Moderna e da AstraZeneca, mas não da Janssen (Johnson&Johnson), que foi autorizada bem depois que as demais e foi muito menos usada na França.
Os resultados também sugerem que, ao longo do estudo – até cinco meses –, a proteção vacinal contra casos graves de covid-19 não diminuiu.
lf/ek (AFP)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos