PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Alcolumbre cede e marca sabatina de André Mendonça

Indicação de Bolsonaro para o STF estava empacada há meses na CCJ do Senado. Ultraconservador bolsonarista, Mendonça foi indicado para afagar eleitorado evangélico do presidente. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou nesta quarta-feira (24/11) que vai pautar para a próxima semana a sabatina de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal (STF).
Mendonça, que chefiou o Ministério da Justiça e a Advocacia-Geral da União (AGU) sob Jair Bolsonaro, foi indicado pelo presidente ao STF em julho, para preencher a vaga deixada por Marco Aurélio Mello.
A escolha de Mendonça foi feita pelo presidente para agradar o eleitorado evangélico conservador e de extrema direita. Nos dois cargos no governo Bolsonaro, Mendonça se destacou pela fidelidade canina ao chefe, chegando a requisitar a abertura de inquéritos contra jornalistas críticos do bolsonarismo e a produzir um dossiê contra centenas de servidores "antifascistas".
Ainda em 2019, Bolsonaro prometera preencher uma das vagas no STF com um nome "terrivelmente evangélico".
Mas a indicação de Mendonça estava empacada. O processo inicialmente não avançou em parte por causa do recesso parlamentar de julho, mas posteriormente ficou paralisado diante da resistência de Alcolumbre em pautar a sabatina do pastor e advogado bolsonarista.
Bolsonaro já conta com um aliado dentro do STF, o ministro Kássio Nunes Marques, que tomou posse na Corte em novembro de 2020. "Tenho 10% de mim dentro do Supremo", disse Bolsonaro recentemente sobre a presença de Kássio na atual composição do STF, que está reduzida a dez ministros enquanto o substituto de Marco Aurélio não toma posse.
Agora, a indicação de Mendonça deve ser analisada pelos parlamentares junto com outras nove indicações pendentes de deliberação na CCJ. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, convocou um esforço concentrado entre os dias 30 de novembro e 2 de dezembro para que a Casa analise todas as indicações de autoridades para cargos públicos.
"Vou seguir integralmente a decisão do presidente Rodrigo Pacheco de, no esforço concentrado, com o quórum adequado, fazermos a sabina de todas as autoridades que estão indicadas na comissão. Como temos dez autoridades na comissão e outras autoridades em outras comissões, vamos fazer um calendário para não atrapalhar as sabatinas da CCJ, da Comissão de Assuntos Econômicos, da Comissão de Relações Exteriores e do plenário", disse Alcolumbre.Pelo regimento do Senado, após a sabatina pela CCJ, o nome de um indicado ao STF é colocado em votação no plenário da Casa, cabendo aos 81 senadores aprovarem ou não a indicação.
Pressão e antissemitismo
Durante uma reunião nesta quarta-feira, Davi Alcolumbre classificou como "um embaraço" os apelos feitos por parlamentares para a realização da sabatina de André Mendonça. Para o senador, a definição sobre a pauta das comissões e do plenário do Senado cabe aos respectivos presidentes.
"Há um apelo constante. Tenho sido criticado pela não deliberação da comissão. Mas o próprio STF decidiu sobre a prerrogativa de cada instituição do Senado Federal quando questionado sobre prazos de deliberação. Cabe aos presidentes das comissões fazer a pauta. Cada presidente tem autonomia e autoridade. Cada um faz sua pauta", afirmou.
O presidente da CCJ ainda disse que se sentiu-se pessoalmente ofendido pelas cobranças em algumas situações. O senador, que é judeu, chegou a ser alvo de insultos antissemitas lançados por ativistas bolsonaristas por causa da demora em pautar a indicação de Mendonça.
"Confesso que pessoalmente me senti ofendido. Chegaram a envolver a minha religião. Chegaram ao cúmulo de levantar a questão religiosa sobre a sabatina de uma autoridade na CCJ, que nunca teve o critério religioso. Minha origem é judaica. Um judeu perseguindo um evangélico? O Estado brasileiro é laico. Está na Constituição", disse o senador.
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, senadores apontaram que o principal motivo pelo qual Alcolumbre vinha segurando a sabatina foi o fato de ele ter perdido o controle sobre a distribuição de emendas parlamentares no âmbito do "Orçamento Secreto" do governo. Já outros senadores afirmaram que Alcolumbre preferia que o atual procurador-geral da República, Augusto Aras, tivesse sido o indicado para o STF.
Ainda segundo a Folha, Alcolumbre também advertiu nos últimos meses que somente pautaria a sabatina de Mendonça se tivesse votos suficientes para barrá-la. Segundo o jornal, o presidente da CCJ tem afirmado que conta com 49 votos contra o indicado de Bolsonaro.
Alcolumbre ainda não definiu quando especificamente será votada a indicação de André Mendonça. Mas os senadores Álvaro Dias (Podemos-PR) e Eduardo Girão (Podemos-CE) sugeriram que a sabatina ocorra na próxima terça-feira (30/11), quando se celebra o "Dia do Evangélico".
Também nesta quarta, Alcolumbre se defendeu das acusações de segurar a indicação de Mendonça, afirmando que a demora para votar em plenário as indicações de figuras para cargos no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e no Tribunal Superior do Trabalho (TST) não geraram a mesma cobrança
"Há quatro meses, eu sou o grande responsável por não fazer a sabatina de um indicado. Mas não vejo ninguém cobrando CNJ ou TST. Parece que só tem uma indicação na comissão. Temos dez indicações, e há uma ânsia coletiva de fazer a cobrança de uma única indicação para um único tribunal", disse.
PEC
O agendamento da indicação de Mendonça ocorre em meio a uma ofensiva bolsonarista para ampliar o controle da extrema direita no STF.
Na terça-feira, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara, presidida pela ultrabolsonarista Bia Kicis (PSL-DF), aprovou por 35 votos a 24 a admissibilidade de uma Proposta de Emenda à Constituição que determina que ministros do STJ se aposentem compulsoriamente aos 70 anos de idade. Atualmente, a idade é de 75 anos.
Caso aprovada e promulgada antes de 2023, a nova PEC permitiria que Bolsonaro fizesse mais duas indicações para o STF, já que os ministros Ricardo Lewandowski e Rosa Weber, que têm 73 anos cada, teriam de se aposentar de imediato.
Mas analistas apontam que a chance desse projeto prosperar é mínima, e que a PEC é mais um instrumento de retaliação para pressionar a atual composição da Corte, que recentemente travou a execução do chamado "Orçamento Secreto".
jps/ek (Agência Senado, ots, DW)CP
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos