PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 13 de novembro de 2021

Amazônia tem desmatamento recorde em outubro

Área desmatada é a maior na série histórica para o mês. Dados contradizem anúncios ambiciosos do governo na COP26. Greenpeace atribui avanço da destruição à "política antiambiental" de Bolsonaro. A área desmatada na Amazônia brasileira alcançou 877 km² em outubro, revelam dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nesta sexta-feira (12/11).
É o maior nível de desmatamento já registrado no mês desde que o levantamento começou a ser realizado, em 2016, e ficou 5% acima do de outubro do ano passado - que era o recorde anterior.
A área destruída equivale a mais da metade da superfície do município de São Paulo.
O novo recorde foi anunciado pelo Inpe poucos dias depois de o governo de Jair Bolsonaro ter anunciado novas metas climáticas durante a conferência COP26, que ocorre em Glasgow. O Brasil chegou ao encontro fragilizado, com sua reputação derretida por causa de iniciativas antiambientais do governo Bolsonaro.
Destruição em meio à COP26
O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, garantiu na quarta-feira, em Glasgow, que o Brasil eliminará o desmatamento ilegal até 2028 e que reduzirá em 50% a emissão de gases de efeito estufa até 2030.
Mas os números divulgados nesta sexta-feira pelo Inpe contradizem o discurso do governo Bolsonaro de combate ao desmatamento.
Desde o início do ano, a destruição florestal avançou em cerca de 7.880 km². Isso foi quase o mesmo que o registrado no mesmo intervalo temporal em 2020, quando a área perdida ficou em torno de 7.890 km².
Por outro lado, no início do mês, o Inpe informou que o número de incêndios em outubro ficou em 11.549, abaixo dos 17.326 registrados no mesmo período de 2020.
Dados oficiais também indicam que a destruição da Amazônia brasileira no mês passado foi um pouco menor do que em setembro, quando mais de 984 km² de vegetação nativa foram devastados.
Greenpeace critica governo
"Enquanto o governo federal tenta vender o Brasil como potência verde na COP26, a verdade é que o desmatamento em outubro bateu mais um recorde e vem sendo impulsionado pela política antiambiental do presidente, do Ministério do Meio Ambiente com apoio de parte do Congresso Nacional", afirmou Rômulo Batista, porta-voz da campanha Amazônia da ONG Greenpeace após a divulgação dos novos números.
"Assinar ou endossar os diferentes planos e acordos não muda a realidade do chão da floresta, onde o desmatamento e as queimadas continuam fora de controle, e a violência contra os povos indígenas e população tradicional só aumenta", completou Batista.
Ambientalistas e opositores vêm atribuindo o aumento do desmatamento às políticas de Bolsonaro, que é favorável à expansão do agronegócio e dos garimpos, inclusive em terras indígenas. O presidente brasileiro também desmontou vários mecanismos de proteção ambiental e paralisou programas como o Fundo Amazônia.
Desde que Bolsonaro tomou posse, em 2019, a Amazônia perdeu cerca de 10.000 km² de floresta por ano (quase a superfície da Jamaica), frente a cerca de 6.500 km² por ano na década anterior.
Ainda de acordo com um relatório publicado pelo Observatório do Clima, as emissões de CO2 do Brasil aumentaram 9,5% em 2020, em grande parte por causa do desmatamento. Os dados também estão na contramão do mundo, que registrou uma queda média de 7% nas emissões, em grande parte por causa da desaceleração causada pela pandemia de covid-19.
Ponto de não retorno
Ainda nesta sexta-feira, cientistas afirmaram na COP26 que a Amazônia está em "alerta vermelho" e que apenas ações concretas evitarão que a maior floresta tropical do mundo atinja um ponto catastrófico sem retorno nos próximos anos.
O alarme foi dado pelo Painel Científico da Amazônia (SPA, na sigla em inglês), formado por mais de 200 especialistas de todo o mundo, que apresentaram resultados de uma ampla avaliação sobre a floresta.
Eles apontam que se as altas taxas de desmatamento, degradação do solo e queimadas registadas nos últimos anos forem mantidas, a maior floresta tropical do planeta poderá chegar a esse ponto de inflexão antes de 2050, perder até 70% de sua vegetação nativa e se tornar praticamente uma área deserta.
jps/lf (Lusa, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos