PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

As chuvas e a abundância da vida

Depois de sofrer a maior tragédia ambiental no ano passado, quando 4 milhões de hectares foram consumidos pelos incêndios, o pantanal registra um cenário alentador neste final de 2021 – as chuvas fizeram transbordar vários corixos e até a Transpantaneira, rodovia que liga Poconé a Porto Jofre, e que viu alguns trechos serem inundados.
As chuvas trazem de volta o verde e a esperança de que a vida se manterá efervescente, neste que é um dos mais importantes biomas brasileiros. Assim, no vai-e-vem das águas, o pantanal se mantém vivo há milhares de anos. O homem pantaneiro, que ocupa a planície há quatro séculos, aprendeu a conviver com esse movimento de todos os anos, que proporciona renovação da fauna e da flora: diretamente impactada pelo ciclo das águas. É uma abundância de alimentos que atrai aves, mamíferos e répteis, formando um mosaico de vida selvagem e um cenário de belezas naturais.
As águas das chuvas vão se espalhando lentamente pela planície durante os meses de novembro a maio, proporcionando a reprodução de várias espécies de peixes e outros animais, e influenciando na distribuição temporária das diversas espécies, até começar a vazante, quando os rios e corixos vão secando e os alimentos se tornam escassos.
Mas esse ciclo hidrológico está ameaçado por fatores que estão, quase todos, fora do pantanal, como o avanço da monocultura sobre as nascentes dos rios, o assoreamento e desmatamento, o uso de agrotóxicos, o esgoto sem tratamento e as mudanças climáticas.
Quando falamos de pantanal, é preciso levar em consideração todos esses fatores se quisermos continuar a ver a vida, em sua plenitude, na maior planície alagada do mundo.
Não podemos nos esquecer que o período das chuvas termina em maio do ano que vem e a seca pode voltar a ameaçar a vida. Pesquisa realizada pelo Mapbiomas mostra que o pantanal perdeu 29% de água entre as cheias de 1988 e 2018. Ao mesmo tempo, pesquisadores dizem que a seca extrema deve se prolongar por mais três a quatro anos.
Portanto, é preciso estar atento para evitar que novas tragédias – como a de 2020 – se repitam, com incêndios consumindo a vegetação, provocando a morte de animais e ameaçando a sobrevivência de populações inteiras.
Por isso, estamos discutindo no Senado Federal e com a sociedade, uma proposta de Estatuto do Pantanal, que cria uma legislação pertinente ao bioma no sentido da exploração sustentável dos recursos naturais. Esse Estatuto é um dos resultados das discussões que realizamos, no ano passado, durante a Comissão Temporária Externa do Senado, de minha iniciativa, que reuniu senadores de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além da contribuição dos senadores Esperidião Amin e Fabiano Contarato. Outra iniciativa foi a criação da Subcomissão Permanente do Pantanal, também de minha iniciativa, que já está instalada dentro da Comissão do Meio Ambiente do Senado. O pantanal é o único bioma brasileiro a contar com uma subcomissão permanente e seu trabalho será fundamental no avanço das políticas públicas necessárias à sua sustentabilidade.
O pantanal, mais que patrimônio da Humanidade e Reserva Mundial da Biosfera, é patrimônio de todos nós, mato-grossenses.
Wellington Fagundes é senador da República

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos