PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 26 de novembro de 2021

General acusado de tortura é eleito para chefiar Interpol

Ahmed Naser al-Raisi, dos Emirados Árabes Unidos, é o novo presidente do órgão internacional de cooperação policial. Organizações de direitos humanos alertaram contra eleição de acusado de tortura e prisões arbitrárias. O general Ahmed Naser al-Raisi, dos Emirados Árabes Unidos, que é acusado de estar envolvido em torturas e prisões arbitrárias, foi eleito nesta quinta-feira (25/11) presidente da Interpol, durante a assembleia-geral anual do organismo internacional de cooperação policial, em Istambul.
Os estatutos da Interpol concedem ao presidente um papel sobretudo honorífico, e o real responsável é o secretário-geral, Jürgen Stock, que foi reeleito em 2019 para um segundo mandato de cinco anos.
Outro candidato polêmico, Hu Binchen, do Ministério da Segurança Pública da China, foi eleito para o comitê executivo. Ele teve o apoio da China, que é acusada de usar a Interpol para perseguir dissidentes exilados.
Alertas contra a candidatura
Várias organizações de defesa dos direitos humanos, entre elas a Human Rights Watch, e legisladores europeus haviam alertado contra a candidatura de Al-Raisi por considerar que ela afeta a missão da Interpol.
Eles afirmam que o general é um dos responsáveis policiais máximos dos Emirados Árabes Unidos, um país que usa métodos repressivos contra dissidentes políticos.
O ex-procurador inglês David Calvert-Smith publicou em abril um relatório afirmando que Al-Raisi "coordenou o aumento da repressão contra os dissidentes" através de práticas de tortura e de abusos do sistema judicial dos Emirados Árabes Unidos.
Três eurodeputados, entre eles a presidente da subcomissão de Direitos Humanos, Marie Arena, alertaram a Comissão Europeia de que a eleição de Al-Raisi afetaria a missão e a reputação da Interpol.
"Não é um bom sinal"
O parlamentar alemão Peter Heidi, do Partido Liberal Democrático (FDP), declarou à DW que a eleição de Al-Raisi "não é um bom sinal para a Interpol".
Ele disse haver temores de que a sede da Interpol seja deslocada da França para Abu Dhabi. "Sabemos que a Interpol necessita de dinheiro, e os Emirados Árabes Unidos deram dinheiro à Interpol e vão continuar fazendo isso. Eu acho que seria melhor se a Interpol recebesse dinheiro de todos os países-membros e não necessitasse de dinheiro de outros países, como um presente", comentou.
Acusações de tortura
Al-Raisi é acusado de tortura e é alvo de processos criminais em cinco países, incluindo a França, onde fica a sede da Interpol, e a Turquia, onde foi realizada a eleição.
Advogados de dois cidadãos britânicos apresentaram uma denúncia formal contra Al-Raisi por tortura. Um deles, o estudante de doutorado Matthew Hedges, que chegou a ser condenado à prisão perpétua nos Emirados Árabes Unidos, acusado de espionagem, foi indultado e libertado há três anos.
O outro é Ali Issa Ahmad, que acusa as autoridades de segurança dos Emirados Árabes Unidos de tortura durante um torneio de futebol, em 2019.
A organização Centro de Direitos Humanos para o Golfo interpôs uma denúncia contra Al-Raisi na França, país onde se encontra a sede da Interpol, em Lyon, alegando que o ativista político Ahmed Mansur foi alvo de torturas nos Emirados Árabes Unidos.
Um escritório de advogados turco apresentou uma denúncia à procuradoria da Turquia contra o general por torturas a Mansur.
Al-Raisi concorria ao cargo contra a candidata da República Tcheca, Sárka Havránková, que havia se apresentado com a promessa de "adequar o trabalho da Interpol ao espírito da Declaração Universal dos Direitos Humanos".
O presidente da Interpol, eleito para quatro anos, exerce suas funções em tempo parcial e de forma não remunerada, o que ele faz a partir de seu país de origem.
as/lf (Lusa, Efe, AFP, AP, DW)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos