PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 6 de novembro de 2021

O medicamento é uma mercadoria?

O termo “mercadoria” é derivado do latim e tem origem na palavra mercatore (mercador). Na economia política clássica, uma mercadoria é tudo aquilo que é produzido pelo trabalho humano e pode ser colocado no mercado para ser comercializado.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) define o medicamento como um produto farmacêutico para recuperação ou manutenção da saúde. Isto quer dizer que o medicamento na prateleira realmente pode ser considerado uma mercadoria.
Algumas entidades do comércio varejista consideram o medicamento como uma mera mercadoria, ou seja, sem preocupação alguma com a saúde e os perigos que os medicamentos oferecem. Desta forma, de tempos em tempos surgem no Congresso Nacional Projetos de Lei solicitando a liberação da venda dos medicamentos em estabelecimentos que não são de saúde, como por exemplo os supermercados, conveniências e empórios.
Somente após muita luta das entidades de classe é que foi aprovado na Câmara dos Deputados, o projeto de Lei 13.021/2014, onde denominam as farmácias e drogarias, como um estabelecimento de saúde. Onde a população é atendida, por meio dos serviços de assistência farmacêutica.
Desde 2019, tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei n. 1774/2019, que altera a Lei nº 5.991, para autorizar os supermercados e estabelecimentos similares a dispensarem medicamentos isentos de prescrição.
A venda desses medicamentos nesses estabelecimentos é um incentivo à automedicação irresponsável. O fato de um medicamento não necessitar de receita, não significa que não traga riscos à saúde dos pacientes. Percebe-se a preocupação com questões comerciais, deixando a saúde da população em segundo plano, o que pode gerar graves danos à sociedade.
Os Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs), também chamados de medicamentos de venda livre ou OTC sigla inglesa de ‘Over The Counter’, cuja tradução literal é ‘Sobre o Balcão’, são, segundo o Ministério da Saúde, aqueles cuja dispensação não requerem autorização, ou seja, receita expedida por profissional.
Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), os MIPs podem ser vendidos, comprados, solicitados, fornecidos, dispensados ou doados sem obrigatoriedade de nenhuma formalização de documento emitido por profissional legalmente habilitado para prescrevê-lo.
Na dispensação dos MIPs, é essencial que o usuário receba orientações a respeito dos seguintes aspectos:
ü Administração (como, quando, quanto e modo de ação do(s) medicamento(s);
ü Duração do tratamento;
ü Possíveis reações adversas, contraindicações e interações com outros medicamentos e/ ou alimentos.
ü O paciente deve recorrer ao farmacêutico e/ou ao médico caso os sintomas persistam.
ü Medicamento isento de prescrição não é livre de orientação farmacêutica.
Medicamento: Deve ser vendido somente em Farmácia, Drogaria e com orientação de um farmacêutico!
Dr. Jefferson William de Oliveira é Conselheiro Regional do Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso (CRF-MT).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos