Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Pílula contra covid é quase 90% eficaz, diz Pfizer

Estudos mostram que medicamento desenvolvido pela farmacêutica reduz em 89% o risco de mortes e hospitalizações pela doença. Pílula também funciona contra a variante ômicron, afirma a empresa. A farmacêutica americana Pfizer anunciou nesta terça-feira (14/12) que estudos clínicos recentes confirmaram que sua pílula experimental para o tratamento da covid-19, chamada de Paxlovid, reduz em quase 90% o risco de hospitalização ou morte pela doença em adultos.
Além disso, a empresa também afirmou, em comunicado, que os dados mais recentes confirmam que o medicamento é "um inibidor potente" da variante ômicron do coronavírus.
O Paxlovid ainda não foi aprovado pelo órgão regulador dos Estados Unidos, a FDA. No início deste mês, o diretor-executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse estar otimista para receber o sinal verde para a comercialização ainda em 2021.
Os estudos clínicos realizados pela companhia indicaram que a redução do risco de internação ou morte por covid-19 foi de 89%, quando o comprimido foi administrado nos três dias seguintes ao aparecimento dos primeiros sintomas, confirmando resultados iniciais apresentados no começo de novembro.
Quando o medicamento é utilizado nos cinco dias posteriores ao início dos sinais da doença, a taxa é praticamente a mesma: 88%.
"Esta notícia fornece mais corroboração de que nosso candidato a antiviral oral, se autorizado ou aprovado, pode ter um impacto significativo na vida de muitos", disse Bourla, em um comunicado, ressaltando que o o novo medicamento poderia "salvar vidas".
Nenhuma morte entre os que receberam o medicamento
De todos os pacientes que utilizaram o Paxlovid, apenas 0,7% foram hospitalizados nos 28 dias posteriores à participação no estudo. Além disso, não houve registro de mortes entre os voluntários que receberam o medicamento.
Já entre os participantes que não receberam a pílula, ou seja, tomaram o placebo, 6,5% foram internados ou morreram, informou a Pfizer. Entre o grupo dos que receberam o placebo, foram notificadas 12 mortes.
A pesquisa foi realizada com 2.246 adultos residentes nas América do Norte e do Sul, Europa, África e Ásia, sendo que 41% do público se concentrou nos Estados Unidos.
Os voluntários foram pessoas diagnosticadas com a covid-19 nos cinco dias anteriores e todas apresentavam ao menos uma condição médica que as tornava paciente de risco de desenvolver forma grave da doença.
O Paxlovid é uma combinação de dois medicamentos: o nirmatrelvir, uma nova droga experimental, e ritonavir, um antiviral já existente e usado contra o HIV. No total, são administrados 30 comprimidos em um período de cinco dias.
O nirmatrelvir atua bloqueando a ação de uma enzima que o coronavírus precisa para se replicar. Já o ritonavir é administrado para retardar a degradação do nirmatrelvir no organismo, aumentando a sua eficácia.
Medicamento semelhante
Outro comprimido contra a covid-19, o molnupiravir, da farmacêutica Merck, já foi autorizado no Reino Unido e aguarda autorização nos Estados Unidos.
No entanto, os resultados finais do estudo foram desanimadores e mostraram que o molnupiravir reduziu em apenas 30% as hospitalizações e mortes por covid-19. Além disso, há preocupações quanto à segurança do medicamento. A Merck recomendou que o molnupiravir não seja usado por mulheres grávidas, após estudos com animais levantarem preocupações com fetos.
Vacina da Pfizer
Também nesta terça-feira, a divulgação de um estudo preliminar de larga escala na África do Sul mostrou que duas doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer, deselvolvida em parceria com a alemã BioNTech, ofereceuma proteção de apenas 33% contra uma infecção com a variante ômicron do novo coronavírus, mas de 70% contra hospitalizações.
O estudo, o primeiro de larga escala sobre a nova variante e feito na região onde ela foi descoberta, indica que as suposições iniciais de que ela é mais contagiosa e mais resistente às vacinas estavam corretas, embora o imunizante ainda ofereça ampla proteção contra casos graves da doença.
le/ek (Efe, Reuters, AFP, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos