Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

domingo, 9 de janeiro de 2022

Assédio judicial e assassinato de profissionais de imprensa na AL ganham repercussão

Dois casos de ataque e violência contra a imprensa na América Latina ganharam repercussão internacional nesta sexta-feira, 7 de janeiro.
No Haiti, dois jornalistas foram queimados vivos por um grupo criminoso. Na Argentina, um tribunal do país está sendo denunciado por forçar um jornalista a entregar gravações de entrevistas com Mariano Macri, irmão do ex-presidente Mauricio Macri.
Gangues: Os assassinatos dos jornalistas haitianos ocorreram na capital Porto Príncipe, no bairro Petion-Ville, e estão sendo atribuídos à gangue Ti Makak. Um terceiro jornalista teria conseguido escapar.
Uma das vítimas é John Wesley Amady, que trabalhava na rádio Écoute FM e vinha cobrindo pautas relacionadas à crescente criminalidade em Petion-Ville.
À CNN, a rádio informou que Amady foi baleado antes de ser queimado ainda vivo. A emissora suspendeu as operações em solidariedade à família da vítima.
A morte dos jornalistas ilustra a deterioração das condições de segurança em Porto Príncipe, onde facções lutam entre si e com a polícia, agravando a crise humanitária no Haiti. O cenário ficou ainda mais grave em julho do ano passado, quando o presidente Jovenel Moise foi assassinado.
Assédio judicial
Na Argentina, o jornalista Santiago O’Donnell lançou em 2020 um livro baseado nas entrevistas que fez com Mariano Macri. Desde o início de 2021 ele enfrenta uma ordem judicial para que entregue as gravações das entrevistas.
Damián Loreti, advogado de O’Donnell’s, disse ao Comitê de Proteção a Jornalistas (CPJ) que em 15 de dezembro entrou com um novo recurso para tentar impedir a entrega dos arquivos à Justiça argentina. Caso os recursos não surtam efeito, a recusa pode acarretar multa de 67 mil dólares ao jornalista.
“Estamos chocados com a recente decisão do tribunal argentino de ordenar que o jornalista Santiago O’Donnell entregue as gravações das entrevistas que realizou com o irmão do ex-presidente”, disse Natalie Southwick, que coordena de Nova York um programa do CPJ para a América Latina e o Caribe.
“A decisão mina descaradamente a liberdade de imprensa e estabelece um precedente terrível, que é inconsistente com as obrigações domésticas e internacionais da Argentina em relação à liberdade de expressão e informação”.
Assessoria/Caminho Político
Foto: Reprodução CNN/Facebook
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos